sexta-feira, 2 de junho de 2017

Leve como uma folha levada pelo vento

Sinto a calma e a palpitação nesse meu peito.

Pego o tempo pela mão, navego nos pensamentos.

Tão bela pintura, deixe-me fazer parte da sua paisagem.

Leve como uma folha levada pelo vento, eu lhe aprecio e descubro.

Um mundo inteiro de angústias e amores cabe no seu sorriso.

Você pode até achar graça, sou um bobo que não mais esconde seus tropeços.

E às vezes até tropeço de propósito para que você ria quando a tristeza paira em seu rosto.

Quando a noite chega, durmo mais feliz.

Tudo ficou um pouco mais doce dentro de mim.

2 comentários:

B. disse...

Oi Bruno!
Há quanto tempo não passo por aqui e quanta coisa mudou nos seus escritos. Gostei bastante desse tom sentimental e menos "dark", rsrs. É bom ver essa sua outra face de escrita.

Bruno Mello Souza disse...

Oi, B.!

Saudades de te receber por aqui, menina! Pois é, a gente vai passando por diferentes fases, agora o DC tá numa fase mais "paz e amor", hehehehe!

Beijos e volte sempre!