quinta-feira, 13 de abril de 2017

Dobrando a esquina

O vento queimou seu rosto durante a noite.

As ordens se invertem, ficamos de cabeça para baixo.

De que lado estão as causas e as consequências?

Eles conseguiram o pretexto perfeito que eu nunca conseguiria usar.

No meio da fumaça, a visão fica tão mais clara!

Vão-se os dedos, ficam os anéis.

Os ingênuos adiantam os preparativos para um fim solene.

Dobrando a esquina, surgem novas vontades, ideias e perturbações.

E agora a eternidade parece tão efêmera e perecível.

Eis um mundo de gente que amputa seus membros e almas para caber na caixa.

Eu nunca quis ser assim!

Se o destino está traçado, a vida seria uma bandeja de comida congelada?

No fim, todos somos iguais.

E todos os amores e fúrias tornam-se um interminável silêncio.

Nenhum comentário: