domingo, 12 de março de 2017

Longa queda livre

O depois é sempre um coringa, toda uma vida num estalar de dedos.

Esperanças pulsam e transbordam, acalmo meu coração.

Existir é desfrutar sem medo uma longa queda livre até que cheguemos ao nosso chão definitivo.

As sensações se intercalam, como fazer para que as melhores não se percam?

Na solidão, o silêncio é inevitável.

Estamos asfixiando nossos espíritos por uma questão de sobrevivência.

Sinais opostos nas placas da estrada desorientam nossas almas.

Sinto sede, a água congela antes que eu a beba.

Deixo meus pedaços largados do jeito que estão, como se fossem componentes pensados de um cenário perfeito.

Com sorrisos estampados no rosto, pessoas tristes se ausentam de suas próprias vidas.

Eu me ocupo buscando significados onde me dizem que não há significado algum.

Entenda, sem eles eu não poderia viver, apenas vegetaria, tanto quanto tantos que vejo lá fora.

Eu não guardo minha flor, eu aguardo minha flor, para que meu dia cinza possa voltar a ficar em cores.

Nenhum comentário: