sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Rio

Tanta energia destilada nas esquinas, ninguém se importa com mais nada.

Todos riem e se divertem, acomodados com seus incômodos.

É solidão que não tem fim, um presente que se resume a esperar.

As pessoas gostam de estar nos lugares errados, elas sempre têm as desculpas certas.

Posso me deixar conhecer com um sorriso no rosto, mas sou tomado pela poeira.

Na minha vez, eu sempre cedo minha vez.

Na minha vez, eu sempre perco minha vez.

Minha atenção é pulverizada, já não tenho nada pra me distrair.

O tanto que se quer é o tanto que se teme ter.

Não insisto mais comigo mesmo, sou incapaz de me ouvir.

Lá fora, todos continuarão rindo.

Porque todos sempre riem, e riem, e riem.

Para sempre riem, e riem, e riem.

E eu aqui dentro rio, tão profundo, levando esse sentimento com a correnteza dos meus olhos.

E eu aqui dentro rio, me afogando ao tentar navegar em mágoas tão turvas...  

Nenhum comentário: