quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Corações perdidos

Corações perdidos estão se molhando na chuva.

A cada esquina, uma nova ilusão.

Corações perdidos marcham rumo ao abismo de mágoas eventuais e esperáveis.

É disso que eles se alimentam, como impedi-los de sonhar?

Corações perdidos buscam aconchego e proteção do fim que vem para tudo congelar.

A tolice tem um gosto doce, pureza esquecida num canto empoeirado.

Corações perdidos amam e morrem de fome todos os dias.

Vão sobrevivendo de migalhas num mundo de escassez de sentimentos não distribuídos.

Corações perdidos não têm lar, são expulsos de qualquer canto em que tentem fixar residência.

Só podem viver enquanto são invisíveis, livres para não existir.

O amor é apenas um adorno para festas de gala.

O amor é apenas uma peça exótica que os mercadores fingem entender e apreciar enquanto vendem por algumas moedas... 

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

É assim que o mundo gira

Uma época antiga parece voltar.

Nos transformamos tanto desde então.

É tolice esperar o que um dia foi e já não é como antes.

É assim que o mundo gira.

Uma expectativa se frustra, não é apenas a sua.

Fazia frio quando eu acendi um isqueiro, continuou frio.

Dias preciosos foram jogados pela janela sem que eu ganhasse nada.

Da vida, um jogo de seduções e afastamentos que eu me recusei a jogar.

Todo ser humano tem seus limites, os meus ficaram marcados em um rosto sem expressão.

O cenário ainda pode vir a mudar, suas esperanças podem subsistir.

Mas dificilmente sobreviverão ao tempo hostil que faz lá fora.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Artérias e avenidas

Você tenta distorcer a realidade que enxergo.

Eu recuso todo filtro tolo.

Tornou-se difícil aceitar que o mundo fugiu do seu controle.

A fuga é esdrúxula, não acredito que você acredite.

Manteve a pose, a empáfia de quem nada pode admitir.

Reina um transformador incômodo entre os iguais.

Mas eles precisam fingir que não se importam.

Uma doença devastadora corre pelas artérias e avenidas.

Talvez isso não renda nada para alimentar sua vaidade.

O tratamento fica para amanhã ou daqui a cem anos.

É só até o dia em que tudo estiver exatamente como você sempre sonhou.

É só até o dia em que não haja mais nada por aqui.

Esgotou-se a razão, e tudo virou apenas questão de envolvimento.

E a verdade não importa mais, eu sei.

Algum dia realmente importou? 

Fim sem começo

Tudo que ansiosamente esperamos passou rápido demais.

A despedida teve de ser breve e abrupta, sem que eu soubesse a razão.

Eu me ajoelhei e chorei copiosamente.

Não adiantava me perguntar por que tinha de ser assim.

Por mais que você me ensinasse e me repetisse o caminho, eu jamais conseguiria chegar lá.

Fiquei perdido e sozinho, sem bússola ou referência.

Talvez fosse meu despertar, mas permaneci letárgico.

Não há mais dor, apenas angústia e incerteza.

Cheguei ao fim sem sequer ter começado... 

domingo, 25 de dezembro de 2016

Feliz natal!

Desejo a todos os leitores e seguidores do DC um felicíssimo natal.

Que todos tenham harmonia, alegria e principalmente paz.

Aproveitem o dia!

Um grande abraço.

sábado, 24 de dezembro de 2016

O anseio pelo passado é inútil

Diante de meus olhos, tudo que não perdi.

Não há mais o que querer, o anseio pelo passado é inútil.

Misturamos a decepção com um gostinho de vitória.

Não é nada bonito, mas tantas coisas na vida não são.

Alguns sonhos não se realizam para que portas melhores se abram.

A realidade se mostra mais promissora, há coisas que só o tempo é capaz de mostrar.

Importâncias tolas de outrora agora não significam nada.

Um doce silêncio me embala, desconheço a próxima canção, e esse é o meu maior alento.

Posso abrir as portas e as janelas, posso respirar e sair para a rua caminhando a esmo.

Todas as possibilidades, enfim, são um grande presente.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Resquícios de pensamentos

Fiquei preso em um mundo paralelo.

Tive medo de não voltar.

Mesmo que tudo estivesse calmo, eu não podia estar lá.

Ouço uma voz, não encontro explicação.

Seria melhor se tivesse terminado?

Não sou mais o mesmo.

Resquícios de pensamentos trazem a angústia da alma para o céu da boca.

Todas as horas do dia passaram sem que eu percebesse.

O esquecimento é tão difícil de se esquecer.

Não entendo mais nada, e não há mais nada para ser entendido.

Todos os significados dessa existência escorrem pelos dedos.

Apenas um fica, sempre, e não muda: o do nada, sentido como um gosto amargo na última colherada de qualquer sentimento que começa doce.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Permaneço

Permaneço.

Mesmo que a sorte tire uma folga.

Permaneço.

Estou aqui mais forte do que nunca.

Permaneço.

Grato por tudo o que tenho nesse exato momento.

Permaneço.

Observo essa dança maluca e tento acompanhar o seu ritmo à minha maneira.

Permaneço.

O brilho das estrelas me diz que tudo vai melhorar ainda mais.

Permaneço.

Com um sorriso na cara pronto para o dia de amanhã.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A vida no olho do furacão

Por qualquer via, o cenário seria complexo.

A indiferença enfraquece, o ódio estrangula, o amor machuca.

Um estremecimento tira tudo do lugar.

Minha negação era a resposta lógica, uma espécie de bússola.

Eu apenas sabia para onde não queria ir.

Talvez por saber disso, fui exatamente para lá.

A vida no olho do furacão é tão certa de destruição.

A cada tempo, há um motivo diferente, por mais tolo que seja.

E não há tolice maior do que negar essa verdade, e virar o rosto para o que hoje não faríamos mais.

Todas as certezas viraram fumaça, ninguém poderia imaginar que isso era uma bênção. 

Então eu odiei de forma intensa, eu amei de forma fervorosa, e me tornei indiferente.    

Revelou-se em seus olhos uma beleza que nunca antes eu havia notado.

Mas já era tarde demais, por mais cedo que ainda fosse.

E quando nada mais fazia sentido, tudo ficou em paz.

A mansidão e o sorriso doce

Estão lhe contando uma mentira, mas você sofre como se fosse verdade.

Tanto que se tem no coração para oferecer, as paredes do peito não podem ser um inferno.

Esse amor poderia perfeitamente ser o paraíso na vida de qualquer um.

Nos dão um preço por tudo que mostramos, nos dizem que o que somos vale apenas algumas moedas.

A cegueira e o vazio são escolhas cômodas e nada corajosas, um prato que alimenta mas não tem sabor nenhum.

Posso ser absolutamente honesto contando minha verdade, mas você sofre como se fosse mentira.

E então minhas palavras se esgotarão, se repetirão, e morreremos com elas intoxicados.

O tempo pode levar tudo, mas sempre deixará suas marcas.

No vento posso enxergar nossas semelhanças, elas se evaporaram tão rapidamente.

Ainda assim, são extremamente bonitas, subindo pelos céus de maneira sublime.

Ficará comigo a mansidão e o sorriso doce, a saudade de um sentimento que jamais deixará de estar presente.

Tudo, afinal, acaba sendo exatamente como deveria ser.

E como alento talvez ainda exista nessa vida uma espera que tenhamos deixado de esperar. 

 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Tudo que a gente quer

Tudo que a gente quer é alguém que sorria na hora mais tola.

Tudo que a gente quer é alguém que dê o beijo inesperado.

Tudo que a gente quer é alguém para compartilhar nossas tolices.

Tudo que a gente quer é alguém com quem se possa ser integralmente o que se é, com todas as qualidades, com todos os defeitos, sem qualquer censura

Tudo que a gente quer é alguém que amanhã, e depois, e depois, ainda esteja aqui.

Tudo que a gente quer é uma mão para segurar, um cabelo para acariciar enquanto se assiste a um filme antigo ou a um desenho da Pixar.

Tudo que a gente quer é alguém para tomar um sorvete, que ajude a encontrar os adjetivos para definir o gosto.

Tudo que a gente quer é alguém que traga paz, que traga certeza mesmo nos momentos mais conflituosos e incertos.

Tudo que a gente quer é alguém que faça lembrar que, mesmo quando o mundo acaba, ele não acabou.

Tudo que a gente quer é alguém que seja, que esteja.

Tudo que a gente quer é alguém que se molhe junto na tempestade, e depois esteja junto tomando um chá quente sob as cobertas.

Tudo que a gente quer é alguém que não banalize a gente.  

Tudo que a gente quer é alguém para quem se possa dizer "Eu te amo" a qualquer hora, por qualquer motivo, sem qualquer medo ou melindre.

Tudo que a gente quer é alguém de quem se possa ouvir esse mesmo "Eu te amo" sabendo que... É amor mesmo.  

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

O amor certo é o amor que posso ter

Os dias de euforia se foram pela janela.

Agora não tenho mais novidade alguma para contar.

O mundo construído para proteger meus sentimentos desmoronou.

Precisei me libertar de tudo que me machucava.

Algumas belezas nunca se revelaram, ainda que eu as tenha buscado.

Choveu e fez sol, mas o passado não pode se fazer presente.

O amor certo é o amor que posso ter.

Tanta amargura me consumiu à toa.

Desamarrei minhas mãos e pernas das ilusões, das desilusões e dos apegos tolos.

Já não há mais buquê de flores para jogar na lata do lixo.

Aceito minha paz e até essa certa apatia.

Uma tela em branco pode ter mais valor do que uma pintura sem alma.

Porque no fim, só existem as coisas que se completam.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

O tempo que é impossível não desperdiçar

Estamos todos presos, e não temos chance de fuga.

Estamos desperdiçando o tempo que é impossível não desperdiçar.

Os minutos passam lentamente, mas os anos passam rápido demais.

Talvez não saibamos para onde estamos indo.

Nem sequer sabemos se isso tem alguma importância.

Os sentimentos mais intensos tornaram-se um cheiro que vem e se vai em um segundo.

E tudo que tomou conta de nossas existências tornou-se vaga lembrança.

Já não sofremos, já não amamos.

A vida agora é pura banalidade.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Mesma velha rua

Um dia de euforia plena.

Alguns dias de silêncio angustiante.

O dia da ruptura, agressiva mas reticente, que traz em suas reticências o triplo de interrogações.

E assim, tudo segue da mesma maneira.

Em que momento a realidade tornou-se quimera?

Em que instante o êxtase tornou-se decepção?

Sigo o mesmo, a caminhar e caminhar e caminhar pela mesma velha rua.

E tudo que ouço são meus próprios passos... 

sábado, 10 de dezembro de 2016

Sob o sol quente

O sol queima a cabeça.

Eu te vejo lutando.

A vida é dura, não se pode esmorecer.

Eu te vejo sobrevivendo.

De simples não há nada, o mundo não para.

Eu te admiro, e sei que em breve vou te rever. 

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

O dia em que o igual será diferente

Ainda posso me surpreender com o que encontro a cada esquina.

E como estará hoje aquilo que sempre esteve aqui?

Eu fujo, eu permaneço no mesmo lugar.

Assobio uma música qualquer para me lembrar da minha espera naquela janela.

Nem sei por que tenho que me lembrar daquilo.

Sempre esperei tanto, por coisas que nunca chegaram.

Haverá, eu sei que haverá, o dia em que o dia igual será diferente.

Por enquanto, me distraio e finjo que não me perco.

Não estou apático, apenas contemplo meu silêncio interior.

Até hoje, foram tão raros esses momentos... 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Somos todos tolos

Olhares se cruzam, olhares se perdem.

O lugar em que estou é o lugar para o qual estou destinado.

Jamais fui menos, talvez nunca consiga ser mais.

Tudo que eu faça será inútil.

Estou esperando, jamais chegarei.

No fim, isso terá alguma importância?

Ainda que eu diga a verdade, estarei mentindo.

Movimentos perfeitos aos quais não pertenço me embalam.

Minha esperança está em nada esperar.

É demasiado cedo para querer morrer.

É demasiado tarde para ter tempo de sonhar.

Tudo que terminamos, terminamos para continuar.

Limpamos a estrada para poder sujá-la em seguida.

Isso nunca termina.

Quando a lucidez se acaba, quando o som silencia, somos todos tolos.  

Nosso maior tesouro é não sermos nada.

O mundo não terminou

Podíamos estar certos.

A mágoa ficou pelo caminho.

E há tanto pela frente, tanto para viver.

Mesmo o que parecia perfeito e se perdeu, mantém a esperança.

A sorte pode se manifestar das maneiras mais estranhas.

Então aqui estamos, de cabeça erguida.

O mundo não terminou.

E a vida está só começando.  

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Doce monotonia

O silêncio corta nossas peles lentamente, arde e deleita. 

Somos totalmente honestos com o que a vida nos trouxe, até mais do que deveríamos.

Naquilo que não dizemos está tudo que precisamos saber.

O passado não é mais um lamento, tornou-se a base daquilo que nos tornamos.

Minha verdade está em tudo que sonho, em tudo que imagino, em tudo que quero.

Entre as paredes, toda a honra e todo desprezo que nos torna uma riqueza que não se pode entender.

Na janela, a fresta reserva a esperança do amor e da luxúria numa embriaguez que permanecerá.

E a vida segue em sua doce monotonia, guardando a melhor das explosões para depois.

Até que chegue o estranho e esperado dia em que não precise mais haver depois.  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Perguntas

Onde foi que nos perdemos?

Do que foi que esquecemos de nos esquecer?

Quando matamos tudo que jamais chegamos a ser?

Qual o medo que deixamos de enfrentar?

Quais foram os dias que passaram pela janela sem que pudéssemos perceber?

Que resposta encontraremos, e onde a encontraremos, se nem sequer temos a pergunta? 

sábado, 3 de dezembro de 2016

Quantas moedas sobraram?

Diante de seus olhos, tudo que um dia deveria ter ensinado algo.

A necessidade de estar acima deixa você tão abaixo.

Veja bem o papel que está fazendo aqui.

Nada do que sinto pode ser mensurado.

Não, você não pode controlar, mesmo que isso leve à loucura.

Quantas moedas sobraram, seriam suficientes?

Até quando terá que fingir que pensa em troca de algumas migalhas?

O trem já passou há muito tempo, mas você segue esperando.

Já não há tempo para rir, se chorar tornou-se impossível.

E a expressão em seu rosto jamais mudará, eu sei.

Olhares perdidos

Os olhares estão perdidos.

Porque já não há mais nada para olhar.

Contemplamos o que não podemos ver.

Contemplamos o que não podemos compreender.

Contemplamos o que já se foi e nunca mais poderá ser.

Ficaram as memórias, um refúgio de saudade.

No coração, a melodia triste preenche o vazio que nos tomou.

Algo mudou, e então nos transformamos.

A dor nos esmaga, da dor renascemos.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Perfeitamente lúcido

Uma oportunidade perfeita se despedaça em suas mãos.

Não há espaço para um vexame nos lugares em que você se esconde.

Tudo que foi aprendido se desaprendeu.

Está valendo qualquer coisa que o faça fugir.

Já não posso mais sentir prazer porque nossas banalidades ficaram confusas e esquecidas.

Preciso de algo que me mantenha com os olhos abertos e a mente alerta.

No escuro, todos ficam sozinhos, frente a frente com a verdade que a realidade não traz.

Meus caminhos se abrem, e então posso entender tudo que acontece ao mesmo tempo.

Não pode ser loucura, estou perfeitamente lúcido.

Não pode ser o fim, estou completamente atento para não me deixar sair daqui. 

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Tanto para querer

Nos lugares por onde passo, me encanto com o que ainda não vivi.

Olhos brilharão, surpresos, com a beleza dos momentos singelos que temos a nos oferecer.

Um orgulho, meu mundo, tão pouco e tão precioso bem que posso compartilhar.

Ainda sou capaz de sorrir e me sentir pleno.

Me importo com a felicidade prometida no horizonte.

E tento fazer do vazio um motivo para amar.

Meu coração pulsa, ele tem tanto para querer.

Aqui estou, pronto para ser tudo que eu puder ser, numa pintura que jamais esquecerei.