quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Papel molhado

As coisas mudam, elas estão bonitas.

As coisas mudam, elas são tão incômodas.

A melhor maneira encontrada de mudar é permanecer.

Pequenos tremores desestabilizam a mente.

Pequenos temores se fazem presentes, guardando a esperança de que o dia termine.

É mais cômodo ir com a onda e se deixar levar pelas conveniências.

Onde foi parar a velha bússola que não funciona mais?

O passado se desmancha feito papel molhado, como uma nostalgia que não precisamos mais ter.

Ainda estamos guardados numa caixa para que alguma criatura nos devore.

E mesmo que tudo seja uma ilusão ou uma metáfora qualquer, permanece real.

Quando terminar a espera, terminaremos nós.  

2 comentários:

CÉU disse...

A coisa por aí está "preta", concluo, Bruno!

Beijos.

Bruno Mello Souza disse...

Não, tá tudo ótimo por aqui, Céu!

Bom fim de semana pra ti.

Beijos.