sábado, 26 de novembro de 2016

Eu já não posso me esperar

O tempo me apressa.

Eu corro, eu tropeço, eu caio.

Eu levanto, não posso deixar de seguir.

O tempo me leva.

Eu rio, eu choro, eu canto.

Eu já não posso me esperar.

A vida, que seja.

Todos os sentidos estão no milagre que sopra em meu rosto.

A simplicidade é a resposta risonha e libertadora para cada um dos meus males.  

Nenhum comentário: