domingo, 30 de outubro de 2016

Lydia

Lydia está tão bonita hoje.

Nada abala seu coração.

Lydia é o retrato da pureza que o mundo esqueceu.

Ninguém poderá destruir o amor que ela carrega em si.

E quando crescer, Lydia saberá mais das coisas da vida do que todos nós.

Somos tão menores do que a força do seu espírito!

A pequena Lydia sorri mesmo diante da dor e da maldade.

É o símbolo mais perfeito da simplicidade da existência que ainda nos recusamos a ver. 

sábado, 29 de outubro de 2016

O que eles sabem das nossas vidas?

O que eles sabem das nossas vidas?

Estão vomitando o que é bonito e o que é sofrimento.

O que eles sabem das nossas vidas?

Precisam mostrar de onde falam, mesmo sem nunca terem estado lá.

O que eles sabem das nossas vidas?

Estão nos receitando um vidro de ideias de tarja preta.

O que eles sabem das nossas vidas?

Nunca se importaram com o que sentimos ou com as dores das quais viemos.

O que eles sabem das nossas vidas?

Agora nos dão o flagelo como um presente, decidindo aquilo que queremos.

O que eles sabem das nossas vidas?

Vivem aprisionados em suas mesquinharias auto-afirmativas, errando e fingindo arrogantemente que estão acertando.

O que eles sabem das nossas vidas?

O que eles sabem das suas próprias vidas?

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Ensimesmado

Abro a porta e dou de frente comigo mesmo.

Eu nem sabia que tinha saído.

Ofereço um café a mim mesmo.

E converso sobre banalidades esperando que eu vá embora.

Anuncio o adiantado da hora para mim mesmo.

E saio novamente para encontrar algo interessante pelas ruas.

Pego o telefone, preocupado, e ligo para mim mesmo.

Chegou o sono e preciso ir para a cama dormir. 

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Visão turva

Ela esperou a noite inteira mas ele não voltou.

Para alguns é mais fácil abandonar a alma saindo pela janela.

Eu observo a sua dor, ela me parece tão bonita.

A visão é turva, e toda melodia então torna-se igual.

Eu me inspiro para logo me esquecer daquilo que eu desejava.

As pessoas mais vazias estão cheias de explicações sobre o que devemos sentir.

Apenas duvide de quem quiser lhe tirar o direito de duvidar.

Na boca ficou o sabor que jamais foi experimentado.

Mas é impossível saber o que foi ou é real.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

As luzes uns dos outros

No tempo guardado nas nossas fotos, ainda estamos sorrindo.

E nem precisávamos de motivos para isso.

Talvez eu tenha deixado um pouco de mim pelo caminho.

Mas acreditem, eu nunca quis fazer ninguém chorar.

Toda a força que não posso estimar, apenas sentir, está vibrando no meu peito.

Assim, eu sempre saberei que não estou sozinho.

Amo vocês e tudo que me ensinaram.

E tento a todo momento honrar o orgulho que vocês sentem.

Tenho meus defeitos, e eu gostaria de ser alguém melhor. 

Me engasgo nas palavras que não encontro para expressar um sentimento imensurável.

Mas um belo dia está por vir, e talvez as palavras nem sejam mais necessárias.

Poderemos apreciar as luzes uns dos outros, com suas cores e características tão singulares.

E todos estaremos prontos para amar à nossa maneira. 

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Seguir em paz

Abandona as angústias, os medos, os rancores.

Abre o peito e respira.

Aceita o que é, sem esperar o que jamais foi.

Porque não se pode violentar a natureza de cada um.

O que de melhor era possível oferecer, ofereceu.

Segue, então, em paz. 

Leva no coração leve apenas o que de bom ficou. 

A bagagem já é pesada demais...

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Um jeito de sentir mais sublime

Tudo ficou mais bonito.

Sempre fica.

Passo por onde me sinto bem.

E me torno pleno, sem medo.

Descobri um jeito de sentir mais sublime.

Na imperfeição, encontro a beleza mais rara.

E a vida fica perfeita, mesmo com todas as suas lacunas. 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Polegares sem digitais

O amor que você enche a boca para pregar não pulsa no seu peito.

Não apodreça as palavras para parecer estar acima desse mundo. 

Quanto amor haverá no sangue que você deseja ver derramado?

É difícil lidar com o diferente, então você quer igualar tudo que vê.

Mentes obtusas precisam de explicações simplistas para parecerem brilhantes.

Vá fundo ao ponto que você guarda no âmago do ser, tenha um pouco só de coragem.

Olhe-se no espelho e enfrente aquilo que você é. 

Talvez eu seja um pecador, porque não tenho a menor intenção de querer o que você quer.

Polegares sem digitais são a exata medida da sua identidade.

Os egos se sobrepõem às razões que nos levam ao abismo.

Por que você ainda luta tanto pela aprovação de zumbis que tiveram os cérebros devorados?

Sua vaidade está violentando a realidade ao seu redor.

Existe algo mais anti-altruísta do que isso? 

domingo, 16 de outubro de 2016

Convivência

A gente convive com as pessoas.

Nós as naturalizamos e nos acostumamos com elas.

Tanto que até nos esquecemos de prestar atenção em como elas são, suas marcas, suas sutilezas, seus trejeitos.

Elas se tornam uma espécie de preenchimento automático do cenário de nossas vidas.

E tudo fica óbvio, dado, pronto.

Até que as percamos.

E então, temos de nos esforçar para lembrar como elas eram... 

sábado, 15 de outubro de 2016

Escravos mentais

As mentiras estão guardadas no seu bolso.

Eles não sabem o que está acontecendo.

Tanta gente se entregou e agora espera sua contrapartida.

Ela lhe custará bem caro.

A auto-proclamação mentirosa derrete todos que estão na plateia.

Mas eles imploram por mais e mais, devorando tudo que enxergam pela frente.

Até quando migalhas serão suficientes para manter seu domínio?

Quem oferece a liberdade como uma dádiva não passa de um tirano.  

Então era tudo um engano, nos tornamos escravos mentais.

Era tudo um engano, e agora é tarde demais...  

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

O gosto de todos os enganos e ilusões

Arranque esse carro, não tire o pé do acelerador.

Durante essa noite, não há nada a perder.

O cheiro é agradável, e você é o rei do mundo.

A confiança é todo o recurso necessário.

Afinal, as estrelas carregam todas as promessas que nunca caíram no esquecimento.

Mas as horas vão passando, e passando, e passando.

O que você era no início está se diluindo no copo quente.

O fim é diferente do projeto, você sabia que seria assim.

Ficou na boca o gosto de todos os enganos e ilusões.

A manhã chegou fria, tão óbvia para iluminar a sujeira que sobrou no chão. 

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Auto-análise

O que vai passar?

O que vai ficar?

O que vai surgir?

O que vai morrer na imaginação?

O que eu serei?

O que eu deixarei de ser?

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Incapacidades

Tanta gente incapaz de entender.

Tanta gente incapaz de crer.

Tanta gente incapaz de ver.

Tanta gente incapaz de luzir.

Tanta gente incapaz de ouvir.

E, principalmente, tanta gente incapaz de sentir.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Vazio necessário

Levamos tanto tempo para descobrir quem realmente somos.

Olhe para mim, está tudo bem.

Sou toda a gratidão que invade a alma enquanto mantenho meu silêncio.

Quero lhe trazer boas notícias do dia de amanhã.

Acredite, eu também tenho algo para brindar.

Mas as palavras me engasgam, fico torcendo para que não fique tarde.

Posso sentir o mesmo que você está sentindo agora.

Vamos salvando nossas vidas apostando que logo à frente elas nos preencham por inteiro.

E nesse anseio, esquecemos que manter um espaço vazio é necessário.

Ao dobrar a esquina, podemos encontrar um fim.

Seria muito arrogante pensar que não precisaremos de mais nada.

A vida é um mistério a ser desvendado a cada novo dia.  

Então é melhor não se apressar...

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Distraídos com nossas próprias vidas

Todos os atalhos se fecharam, fica difícil encontrar a saída.

Estamos tão distraídos com nossas próprias vidas que perdemos a noção do que acontece do lado de fora.

De qualquer jeito, o que tinha de ser feito está feito, e assim posso seguir.

A apatia e o desinteresse não são qualquer diferencial nos tempos em que vivemos.

Porque os movimentos não fazem qualquer sentido em sua desordem.

Repetições desesperançosas e finais previsíveis estão sempre na conta cara que pagamos.

Mas parar é uma tolice que não está entre as minhas opções.

As páginas em branco podem trazer as melhores notícias do mundo. 

domingo, 9 de outubro de 2016

Sky & God Gold

Ontem o Porta dos Fundos postou no Youtube um vídeo sobre o "céu católico" que, por óbvio, provocou polêmica (assista aqui). O esquete nem chega a ser engraçado (mas, convenhamos, hoje em dia "ter graça" não chega a ser importante para o humorismo, uma vez que o critério analítico principal adotado por muitos é se a piada está ou não na lista de temas permitidos pelo Comitê Central da Patrulha do Politicamente Correto). Faz uma crítica à "lógica" de salvação do Deus católico, que pode perdoar as maiores barbaridades de quem a ele pede perdão, mas de jeito nenhum pode tolerar que a pessoa, por melhor que seja, tenha deixado de crer nele. Evidentemente, haveria polêmica, dando margem para que alguns seres humanos pudessem destilar todo o seu profundo e irreversível retardamento mental.  

Entretanto, em meio a uma infinidade de bizarrices de gente possui imensa dificuldade em lidar com piadas e que tem como mentor intelectual um tal de Nando Moura (!), uma se destacou aos meus olhos nos comentários do famigerado vídeo. Fiquemos então com a pérola de sabedoria do usuário Junin Play, uma das passagens mais brilhantes que já li na vida, digna de banners com belas palavras postadas no Facebook (vou até colocar numa fonte diferente, pois é bonito e inspirador demais):

"A questao eh simples, vc chamaria alguem que sempre te recusou a ir num jantar a sua casa? mesmo a pessoa sendo boa com todo mundo, mas ela te ignorava, vc chamaria? agr se uma pessoa fez mal a muitas pessoas, mas ele conversava com vc, te respeitava, vc chamaria quem pra jantar na sua casa? o que te ignorava? ou o que conversava com vc ?" (Junin Play, 2016).

Eu sei, é inteligente e comovente demais o raciocínio do rapaz. Fica difícil conter as lágrimas com uma argumentação tão clara, lógica e bem articulada.

O céu, para essa mente brilhante, nada mais é do que um clubinho dos amigos de Deus. Certamente o Maníaco do Parque, portando seu cartão vip Sky & God Gold, terá mais chances de entrar no Reino dos Céus do que o ateu do Médicos Sem Fronteiras que salva vidas de crianças desnutridas na Etiópia todos os dias.

Esqueça também aquele negócio de Deus justo, todo misericordioso, cheio de amor e tolerância de que falam por aí. O Deus no qual Junin Play, "O Pensador", acredita, é uma espécie de superstar birrento que não aceita que você não tenha um pôster dele colado na parede do seu quarto. Afinal, tanto faz se você busca seguir sua consciência, fazer o bem e não prejudicar o próximo: se você não for "parça", está frito.

É triste que existam imbecis que pensem assim. Talvez buscar algumas coisinhas que o Papa Francisco tem dito nos últimos anos possa ajudar em algo...

..................................................................................
- Escrevi outras vezes sobre esse tema do fanatismo exacerbado (você pode ler aqui, aqui e aqui).
- Sugiro também o ótimo vídeo de Felipe Neto sobre o assunto, no qual ele diz absolutamente tudo aquilo que penso sobre determinadas ideias de Deus (assista aqui).

sábado, 8 de outubro de 2016

Pequeno paradoxo do medo da morte

Ele sofre todos os dias com o medo de morrer e tudo se acabar.

Mas se quando ele morrer tudo se acabar, não terá como ficar sofrendo com absolutamente nada. 

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Remédio

Machucou, mas cicatrizou.

Doeu, mas passou.

Nossas verdades, quando bem aceitas, são o melhor remédio para tudo que sangra.

O remorso tolo se foi.

Tudo secou e virou pó levado pelo vento.

Encontramos e perdemos, mas não lamentamos.

Basta que aprendamos a nos distrair com o que a vida nos dá.

Um novo e belo dia acaba de nascer.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Momentos em preto e branco

O vento traz movimento à paz e à guerra de nossos velhos cenários.

Já passamos por tanta coisa, mas sempre parece pouco.

Às vezes, o silêncio não é ausência, pois sabemos contemplar.

Um dia, eu tentei ser uma pessoa melhor, mas repeti tantos erros.

Acredite, eu gostaria de ter dado mais de mim.

Apenas agradeço pelo tanto de cuidado e carinho.

E sei que não aprendi a ser tão doce, é muito o que ainda preciso aprender.

Meu jeito estranho jamais foi uma negação, nunca deixei de ter consciência de que sou um privilegiado.

Apesar do meu humor, não duvide do meu amor e das promessas que faço a mim mesmo.

Tudo o que vivemos me fez chegar aqui exatamente dessa maneira.

O abraço, a sorte, os momentos em preto e branco não morreram.

Nada do que fizemos deixou de ser preenchido pelos melhores sentimentos e intenções. 

E a ternura nunca se perdeu, mesmo diante dos nossos excessos.

Sou bem mais do que pareço ser, e sei que pareço ser cada vez menos.

Quando engolimos o nosso choro, somos a mesma coisa.

É nessas horas que somos plenos e não percebemos.

Às vezes sinto um medo profundo de perder o que eu nunca soube ter.

E então eu rezo para que quando eu saiba, esse aprendizado não tenha se tornado obsoleto.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

A fronteira entre a dor e a alegria

O cansaço e a dor estão nos rostos que observo todos os dias.

A vida virou questão de mera sobrevivência, uma fuga interminável para lugar nenhum.

Palavras fáceis se esvaziaram, e buscamos significados em outras direções.

A despedida é apenas um passo a mais, mas pode ser a fronteira entre a dor e a alegria.

Tudo resume-se ao tempo, esse amigo controverso que nunca podemos ver.

Meu coração anseia por tanto, pula nas paredes do peito e não sabe onde encontrar sua liberdade.

Sobrou o último esforço e uma esperança talvez vã num futuro utópico.

Ainda assim, há algo no horizonte para se olhar.

Um lugar bonito pode ser a porta para a paz interior que se esvaneceu na insanidade dessa existência opaca.

Não podemos voltar ao que um dia fomos, mas podemos criar um novo jeito de viver. 

domingo, 2 de outubro de 2016

Conveniência de fotos desbotadas

O mau odor de suas palavras contamina todo o nosso espaço.

Douram-se as pílulas que envenenarão nossos estômagos.

Meus olhos estão atentos e eu sei bem o que vejo.

Você, de joelhos, implora para ser igual.

Nas ruas, mais um zumbi apodrecido caminha sem rumo.

Não há surpresa alguma para quem conhece as escolhas que fizemos.

A fantasia para os horrores é uma conveniência de fotos desbotadas.

Não há dignidade no fundo do vaso sanitário.

A tentativa vã de enobrecer a sujeira já não tem lugar neste romance.

A paz deste final não pode mais ser abalada pelos grunhidos que perderam totalmente seu significado.