domingo, 7 de agosto de 2016

Noites de incerteza e dias de plenitude

Um copo se quebra em minha mão.

E na tentativa de limpar a sujeira, eu sangro e sujo ainda mais.

A salvação me abraça, eu perdi todas as minhas necessidades.

Uma vida inteira pode ser colhida numa amostra de fração de segundo.

Noites intermináveis de incerteza precederam dias de plenitude.

O sol que queima, a água que refresca, a miséria que distrai, são tantos os ingredientes.

Para o bem ou para o mal, tudo sempre acontece diferente daquilo que imagino.

Horas de uma redenção perfeitamente projetada transformam-se em retorno silencioso nas ruas de tantos sentimentos manjados.

Mas dias banais trazem sorrisos inesperados e deliciosos na mesa de um bar.

Continuaremos sempre sonhando para preencher nossos vazios com uma vida que valha a pena ser vivida.   

2 comentários:

CÉU disse...

Os opostos se atraem.

Vale sempre a pena viver, Bruno!

Beijos.

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado pela visita, Céu!

Beijos.