sábado, 25 de junho de 2016

Lamento no vazio

Eu abraço uma esperança que nunca tive.

Eu acaricio o apego que nunca me pegou.

Eu beijo o amor que nunca se completou.

Eu perco o que nunca tive.

Eu me despeço de uma época que nunca vivi.

Fora de mim, tudo que sou se ausenta.

Eu apenas esvaeço e sou levado pelo vento que sopra sem direção.

Me vou sem que qualquer coisa sentida tenha tido valor ou sentido.
  
Porque minhas memórias, afinal, não são reais.

Porque minha realidade sempre foi composta por nuncas.

Nenhum comentário: