quarta-feira, 8 de junho de 2016

Calmo em excesso

O papel já vem rasgado e sem uso.

Amanhã nunca chega, todos os fatos são mentirosos.

Dentro da caixa não há espaço para respirar.

Estamos prestes a pensar o que nunca poderíamos.

Encontro toda a riqueza oculta na miséria.

Posso escolher qualquer sonho, mas sempre escolho sonhar a mesma coisa.

Quanto tempo seria suficiente para que eu voltasse a mim mesmo?

Estou calmo em excesso, e preciso mover o mundo que tenho em minhas mãos.

O fim ainda está muito, muito longe.

Nenhum comentário: