sábado, 14 de maio de 2016

Humanidade vassala

Estive me distraindo enquanto os dias viravam fumaça.

Tinha tanto a fazer, tanto a esquecer, que acabei me deixando de lado.

Preciso ficar aqui esperando, até que o desespero me invada.

É um jogo em que resisto o máximo que posso, mas sempre perco.

Minha salvação é uma utopia, e toda energia que reservei se vai numa única explosão.

Era tão fácil quando falavam da minha loucura e eu podia me libertar na prisão de um quarto.

Mas a noite sempre sopra bobagens ao pé do ouvido.

Reina minha humanidade vassala para que eu possa continuar conduzindo meu desastre.

Posso contar mil vezes a mesma história para você e em todas lhe espantar e afastar.

Eu me protejo me expondo, fingindo que já não tenho consciência ou convicção.

Apenas venha e salve-me, apenas venha e suma mais uma vez.

Porque parece que não me canso dos maus tratos e do seu descaso, tatuado em minha pele.

Parece que não me canso de apanhar e pedir desculpas para que você volte.

Nenhum comentário: