quarta-feira, 20 de abril de 2016

Silêncio recíproco

As palavras voaram pela janela.

Eu as tinha deixado guardadas, mas não valem mais nada.

A verdade de ontem não é a verdade de hoje.

Às vezes eu até me esqueço de como era.

Vaidades e interesses estão sob essa camada de altruísmo.

Mas alguns fingem que não sabem disso.

Ao longe, um sorriso puro e inocente me reconforta.

É a esperança de quem possui a dádiva de não saber nada sobre as pessoas.

Isso não pode ser preservado, isso não pode ser guardado.

Então mantemos nosso silêncio recíproco para evitar mais danos.

Nosso lamento quieto é a ilusão arruinada por uma mentira em que um dia acreditamos.

Esse desconforto está em nós, e de nós não sairá jamais.

4 comentários:

Fernando disse...

Olá Bruno
Realmente "O desconforto está em nós". Nos últimos tempos mais ainda com toda essa crise política e moral que enfrentamos. Espero que este desconforto passe logo.
Grande abraço

Bruno Mello Souza disse...

Verdade, Fernando.

Um grande abraço.

Franciéle Romero Machado disse...

A dor é algo que nos deparamos muitas vezes ao longo de nossa vida, mas talvez a decepção e desilusão sobre algo ou alguém nos faz questionar o porquê algumas coisas são assim. Assim chega o silêncio que é nosso orgulho perante esses sentimentos... Lindo poema, parabéns! Abraços!

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado, Fran! Sempre bom te receber por aqui.

Abraços!