quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Livre pela sala

Ela dança, livre pela sala.

Alguns dizem que ela é louca.

Outros dizem que ela desaprendeu a viver.

Ela gira, e gira, e gira, até ficar tonta.

Não tem companhia em sua insanidade.

Não se importa com o que vai acontecer.

Ela é tão bela com seus movimentos caóticos.

Nunca precisou de passos marcados.

Deixa a fumaça sair pela janela escancarada.

Ela vai se libertando em seu suor.

Deixa seus pés conduzirem a lugar algum.

E não se importa se algum voyeur rir de sua cara.

Ela é retrato em preto e branco.

Alguns dizem que ela nunca disse nada.

Outros dizem que ela um dia foi princesa.

Ela se diverte sem dar explicações

Deixa doer até o fundo da alma.

Ainda é muito cedo para deitar. 

2 comentários:

CÉU disse...

Sob a terra, solo, um mundo. Excelente tua inspiração. A minha está de rastos, devido a cansaço profissional.

Bom fim de semana, Bruno!

Beijos.

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado, Céu!

Beijos.