quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Aceleração

Alta velocidade, numa estrada que parece não ter fim.

As cidades no meio do caminho são uma paisagem morta.

Ninguém tem nada a dizer, essas pessoas somente se alimentam e defecam.

Isso na verdade nunca teve importância.

Há muitos sentidos para dar à satisfação que sentimos agora.

No escuro não existem precipícios ou paredões.

Então eu acelero mais e mais enquanto meus olhos brilham.

Exploro essa natureza que não posso enxergar.

Exploro a mim mesmo, eu nunca pude me enxergar.

Rio, rio, rio e rio.

É tão profundo, eu me afogo.

Rio, rio, rio e rio.

Agora tudo está explicado.

Nenhum comentário: