sábado, 12 de dezembro de 2015

Beijo cristalizado

Uma desculpa qualquer foi a melhor desculpa.

Logo depois, estávamos conversando sobre escolhas e precipícios.

Entregues à nossa própria sorte, deixamos que tudo acontecesse.

Nos devorávamos, e o tempo parou, solenemente.

Deixei-me invadir pelo cheiro que me levava ao paraíso.

Minha pele na sua pele, minha boca acariciando a sua boca, meus dedos tateando meus sonhos.

Mas em seguida sempre aparece um bloqueio, um aborto de todos os anseios.

E tudo se torna um inferno que queima a alma.

Ressuscitamos algumas vezes, e não posso dizer que tenha havido arrependimento.

Então me pego imerso em minhas recordações.

O mundo mudou.

Mas aquele beijo ficou cristalizado.

E não importa onde você está, onde eu estou.

Um pouco de nós continua pelo ar, para nunca se desfazer.

2 comentários:

CÉU disse...

Acho que não importa mesmo. O sabor diz tudo e já que estamos quase no natal, o adjetivo "cristalizado" faz todo o sentido, aliás, faz sempre, em qualquer época do ano.

Beijos, Bruno!

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado pela visita, Céu!

Beijos.