sábado, 17 de outubro de 2015

Areia movediça

Ela invade meu território sem pedir permissão.

Ela é linda, ela é o sonho durante a vigília.

Ela brilha e me cega.

Ela passa e vai colorindo o mundo.

Ela é paraíso e dor, ela é inferno e bálsamo.

Ela brilha e me cura.

Ela sorri e me distrai, como se nada mais existisse.

Ela é o segundo que não passa, ela é areia movediça engolindo minha alma.

Ela brilha e me mata.

2 comentários:

CÉU disse...

Tudo o que é movediço, nem sempre é aconselhável.

Bom domingo, Bruno!

Beijos.

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado, Céu!

Beijos.