terça-feira, 25 de agosto de 2015

Palavras escondidas

As paredes não têm respostas, luzes apagadas nada têm a dizer.

Tudo que transborda é desmedido, inevitável.

Deixe-me tirar de sua frente tudo que lhe impede de ver.

Quando olho para os lados, queria dizer que te amo.

Quando baixo minha cabeça, queria estar agradecendo.

Tantas são as pessoas que amam aquilo que lhes odeia.

Tantas são as pessoas que desprezam aquilo que lhes ama.

Nosso silêncio tem muitas palavras escondidas.

É um idioma que poucos sabem interpretar.

E a vida vai se ressecando, atropelando nosso tempo.

O movimento constante não dá espaço para a contemplação da dor.

À frente, está uma estrada que se percorre sozinho, sem ilusões.

Não há mais um minuto sequer.

Não, não há amor que se mantenha aceso no vácuo.

2 comentários:

Alice Twins disse...

UAU!
Gostei da última frase "Não, não há amor que se mantenha aceso no vácuo.." perfeito!!

Um beijo,

http://alicetwins.blogspot.com.br/

Bruno Mello Souza disse...

Que bom que gostaste, Alice!

Beijo.