segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Agradecimento silencioso

Seu rosto cansado sofre debaixo do sol.

Como poderia não reconhecer essa luta?

Cada dia é uma nova guerra, você sempre vence.

Como poderia não me orgulhar desse triunfo?

Mas quando estou voando, você me diz que não tenho asas.

Tolices bem intencionadas estão matando as pessoas lá fora.

Eu paro para agradecer em silêncio.

Faço isso o tempo todo.

Quando me perco e me encontro, fico contente.

Mas não faço mais do que minha obrigação.

Do meu caminho, não sei.

Mas confie que chegarei e andarei enquanto tiver pés.

Você pode não saber, mas já andei por muitos lugares escuros.

E nunca houve nada fácil, eu sei bem.

Estive em outro mundo, eu aprendi a sobreviver.

E gostaria que isso valesse alguma coisa antes que você olhasse de lado.

Podemos ser mais que este desdém involuntário.

Enfrentei fantasmas e monstros apenas com meus punhos.

E gostaria de mostrar o quanto fiquei mais forte.

Porque eu sei que você quer o melhor.

E eu sei que você faz o seu melhor.

Nenhum comentário: