quinta-feira, 11 de junho de 2015

Deixa doer

O sonho extirpado, o anseio sufocado.

Deixa doer.

O calendário atrasado, o relógio parado.

Deixa doer.

O quase ser, o quase ter.

Deixa doer.

A cena na tv, a música clichê.

Deixa doer.

A esperança vazia, a cama tão fria.

Deixa doer.

O grito trancado, o beijo não dado.

Deixa doer.

Caminho solitário, destino arbitrário.

Deixa doer.

O choro engolido, o cheiro no vestido.

Deixa doer.

Deixa morrer.

Deixa doer.

Deixa viver.

Amar é doer.

Amar é viver.

Amar é morrer.  

2 comentários:

Mirtes Stolze. disse...

Boa dia Bruno.
Um lindo poema, porem tão triste, infelismente é a realidade de muita gente, que ainda não encontrou o amor, ou se decepcionou. Amar pode ate causar sofrimento, mas nunca podemos desistir de encontrar o verdadeiro amor. Um lindo dia. Abraços.

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado pela visita, Mirtes!

Abraços.