segunda-feira, 18 de maio de 2015

Utopias e distopias

Ainda estou sob o efeito dos dardos que você disparou contra mim.

Enterrado entre cobertores, edredons e lençóis. 

Estou ferido, mas sou incapaz de sentir qualquer dor.

Dias e séculos se passam enquanto me escondo de mim mesmo.

Mas algum dia eu despertarei, eu levantarei.

E deixarei o sol beijar meu rosto.

Em minha mente, passeio entre novas certezas e antigas dúvidas.

E se a eternidade for apenas uma promessa vazia?

Palavras e palavras, somente palavras, o tempo que se ganha.

Se quiser lutar por mim, lute, pois talvez eu tenha desistido de lutar por você.

A felicidade é uma velha utopia.

A liberdade é uma velha utopia.

A liberdade é uma velha distopia.

A felicidade é uma nova distopia.

Nenhum comentário: