segunda-feira, 11 de maio de 2015

Um grito de vida

Não deixe que colem seus pés.

Se for preciso, saia correndo.

Não existe dívida alguma.

As grades dessa prisão são imaginárias.

Despeje o líquido quente em seu rosto.

Existe uma força destinando tudo.

Não tema a punição.

Todo reinado um dia acaba.

Os poderes que lhe esmagam estão sendo corroídos.

E as vaidades estão sendo derretidas pelo ácido.

Um grito de vida, do querer mais puro, pode ser ouvido.

O chão se abre em nome desta fuga sonhada.

Um grito de liberdade, afastando as nuvens com forte braçadas e ganhando o céu.

O universo é grande o suficiente para abraçar nossos desejos.

Nenhum comentário: