sábado, 16 de maio de 2015

Recusa

Seus olhos estão sangrando, e você ainda sente sede.

O que você diz não muda a realidade à sua volta.

Quando tudo pareceu não ter valido a pena, talvez você tivesse razão.

Essa noite, vamos gargalhar enquanto nossas almas choram.

Mas isso não tem importância enquanto existir anestesia.

Assim fomos ensinados a viver.

E postergamos as coisas que o coração deseja.

Se tudo for mentira, há uma longa estrada.

E não vamos parar, independentemente da dor e das cicatrizes.

Faz um século que estou aqui, e sei bem como é isso.

A pele arde e queima.

Mas estou me recusando a parar.

Mesmo que isso nunca chegue ao fim.

Nenhum comentário: