sexta-feira, 24 de abril de 2015

Clube dos corações congelados

Por favor, retire o coração do meu peito e coloque-o num congelador.

Desperte-o somente quando ele tiver o direito de amar.

E deixe-o pulsar novamente só quando houver sol e luz.

Por enquanto, vou marchar com o clube dos corações congelados.

Caminharei lado a lado com essa gente que busca apenas a sua vez.

E deixarei o tempo passar e ir embora com a fumaça.

Talvez algum dia a soma desses nadas forme alguma coisa.

E talvez esses motivos certos em lugares errados ultrapassem as meras palavras e vontades.

Nesta marcha, não há destino, não há dor.

Não há o peso insuportável destes órgãos pulsantes.

Na marcha dos corações congelados, não há direção equivocada.

Há somente espera em movimento sem esperanças, essas armadilhas que nos aguardam a cada esquina.

No clube dos corações congelados eu vou me encontrar.

Vou adormecer acordado, sem sonhar.

E ocupar o lugar que me é de direito.

2 comentários:

CÉU disse...

Tanta imaginação e talento, querido Bruno!

Haverá algum clube de corações congelados?
Um dia desses, o teu, vai derreter, poeticamente falando.
Pena k os euros não sejam elásticos, né? Fica para uma próxima vez.
Lisboa é uma cidade com mta luz e mta segurança.

Abraço e bfs.

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado, Céu!

Imagino que Lisboa seja maravilhosa, mesmo.

Beijos.