sábado, 21 de fevereiro de 2015

Maneiras duras

Enquanto a noite ia embora e as estrelas se despediam, eu estava errando novamente.

De volta ao lar, eu fiz você chorar.

Mas é tão bom quando lhe encontro.

Aprendi a prestar atenção a todas as ameaças.

Agrido a mim mesmo, não posso machucar você.

Aprendi a vigiar todos os movimentos enquanto caminho pelas ruas.

As paranoias às vezes tornam-se realidade.

Então eu lhe contamino com meus fantasmas.

E eu tenho medo que alguém lhe leve a qualquer momento.

E eu tenho medo de ser culpado disso.

Isso me fez um pouco mais perfeccionista, tudo pelo seu sorriso.

Não posso ter o meu coração arrancado, não agora.

Estou acuado em minhas defesas.

Eu só queria dar-lhe a minha mão.

No solavanco, quase derrubei você.

Eram só minhas maneiras duras de dizer.

Eu precisava lhe proteger, eu precisava ver o seu melhor.  

Perdoe-me, você decifrou minhas palavras para além de qualquer explicação.

Nenhum comentário: