segunda-feira, 21 de julho de 2014

Couvert

- Ei, garçom!
- Pois não, senhor.
- Por favor, poderia me trazer uma manteiguinha?
- Como?
- Uma manteiga, para acompanhar o couvert. Você pode me trazer, por favor?
- Não.
- Hein?
- Não.
- Mas... Nas outras mesas... Estou vendo várias pessoas com manteiga.
- Sim, é verdade.
- Então? Acabaram as manteiguinhas?
- Ainda temos manteiga, senhor.
- Pois me traga uma, por favor.
- Não.
- Mas... Por quê?
- Eu conheço um pervertido de longe, senhor. 
- Hã?
- Gente do seu tipo está por todos os lados. Depravados como você estão por toda a parte, a quem você pensa que engana?
- Mas... Eu só quero uma manteiguinha!?
- E ainda tem a desfaçatez de pedir como se fosse normal.
- Ué! Mas eu só quero uma manteiga!
- Que tipo de restaurante você acha que é esse? É um restaurante de família. Tem pais, mães, crianças. O senhor não se envergonha?
- Do quê? Por favor, só quero uma manteiguinha pra passar no pão!
- Pão?! É assim que depravados como você chamam...?
- Hã?
- Fora daqui, senhor. Ou terei que chamar a segurança.
- Como?
- Fora daqui. Vá fazer suas pequenas brincadeiras doentias noutro lugar!
- Mas...
- Fora! Não vou falar mais uma vez.
- Mas... Nem um requeijãozinho?

2 comentários:

Mariazita disse...

Coitado!!!!!!!!!!!
É preciso azar...
Nem um requeijãozinho :)))
Muito engraçado.

Continuação de boa semana.
Beijinhos

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado pela participação, Mariazita!

Beijos, e boa semana pra ti também.