quarta-feira, 19 de março de 2014

Agora e amanhã

Ela me abraça forte e me dá um pouco de vida.

Mas amanhã ela irá me desprezar.

Ela aprecia as coisas que escrevo em meu velho caderno.

Mas amanhã serei apenas um analfabeto miserável.

Ela demonstra sentir um prazer pecaminoso.

Mas amanhã ela sentirá apenas repulsa.

Ela é minha confidente mais íntima.

Mas amanhã serei somente um estranho.

Ela beija minha boca, decidida.

Mas amanhã isso não será mais nada.

Ela morde meus lábios, cheia de tesão.

Mas amanhã estarei louco.

Com suas mãos geladas, ela segura as minhas.

Mas amanhã estarei morto.

2 comentários:

B. disse...

E essa eterna ambiguidade, é aquela que maltrata o coração.

Bruno Mello Souza disse...

Verdade, B...

Beijo, e obrigado pela visita.