sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Picadeiro

Arme o circo.

Estamos no centro do picadeiro.

Venha me adestrar.

Chicoteie meu lombo até que eu aprenda.

Todos riem e se admiram.

Sou tão adequado enquanto não me defendo.

Sou tão bonito enquanto não arreganho meus dentes.

Sou tão perfeito enquanto não ataco.

Traga minhas migalhas, deixe-me na jaula.

Guardo meus instintos pelo seu lucro.

Estou sozinho para que você me explore.

Tiraram-me do trono, agora sou um plebeu debilitado.

Fizeram-me escravo, agora sou a diversão alheia.

Não se deixe contaminar.

Não me abandone aqui.

Não deixe escurecer.

Não me mate após o espetáculo.

2 comentários:

B. disse...

Seu texto me remeteu a duas ideias. A primeira delas relacionada aos animais de circo mesmo e a segunda relacionando os humanos a estes animais. Os humanos, assim como tais animais, também são explorados só que pelo sistema.
Bom texto!

Bruno Mello Souza disse...

Oi, B.!

Muito obrigado pela visita e pelo comentário. É sempre ótimo te receber por aqui.

Beijos.