domingo, 9 de fevereiro de 2014

Anseios e angústias

Todos estão cheios de coisas compráveis e justificativas para tudo o que fazem.

Eu queria ser assim também, algo que se leva facilmente.

Eu queria ser assim também, algo que se lava facilmente.

Angústia é bobagem, você chora como um estúpido.

Mais um dia é a sensação final, você ri como se estivesse feliz.

Um pedaço de pão no caminho, vou comê-lo sem me preocupar.

Eu queria ser assim também, saber como voltar.

Eu queria ser assim também, uma peça sem vida que se usa e não se ama.

Objetivos mesquinhos são alcançados para que nada mude.

Eles vencem, eu perco; eles cospem, eu lambo.

Perecemos desde o nascimento, somos morte lenta e anestesiada.  

Eu queria ser assim também, um objeto inanimado.

Eu queria ser assim também, um robô que nada sente.

Vejo você brilhar em flashes, deixe-me banhar com sua luz.

Vejo você pintar uma realidade paralela, deixe-me tingir meu corpo.

Esses dias sem nada têm tudo de que preciso.

Esse silêncio da madrugada tem todo o barulho que me faz despertar em mim mesmo.

Essa multidão sem rosto tem toda solidão que me deixa mergulhar.

Esse céu acinzentado tem todo o azul necessário para eu me libertar.

Nenhum comentário: