quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Vexame que não deve apagar o orgulho do Galo

O Atlético Mineiro foi eliminado com requintes de crueldade do Mundial Interclubes. Perdeu para o Raja Casablanca e viveu um remake do pesadelo colorado diante do Mazembe. O que serve de atenuante, e ao mesmo tempo agravante, para o Galo, foi ter enfrentado o representante do país-sede. Atenuante, porque perdeu para um time "da casa"; agravante, porque o time da casa era o Campeão Marroquino, nada mais que isso, enquanto o Mazembe era o melhor do seu continente, o Campeão da África. De todo modo, os roteiros foram bastante parecidos.

O Atlético de ontem, assim como o Inter de 2010, era um time visivelmente fora do tom. Estava tenso, nervoso, sem naturalidade. Quando levou o primeiro gol, revi diante dos meus olhos a dificuldade e a incredulidade de 2010. Tudo muito semelhante e perturbador (a recordar, também, que o Mazembe, zebríssima, havia eliminado um teoricamente mais forte mexicano na fase anterior, à época o Pachuca; agora, o Raja, também zebríssima, eliminou um também teoricamente mais forte mexicano, o Monterrey). A diferença fundamental é que o Colorado pressionou muito mais o Mazembe, criou muito mais chances, e sofreu os gols em lances isolados e inesperados. O Galo, por sua vez, teve mais posse de bola mas esteve completamente desorganizado, não conseguindo articular o setor ofensivo e oferecendo espaços inacreditáveis para o Raja, que o tempo todo foi mais perigoso, fez três e poderia ter feito pelo menos mais dois gols. 

A rigor, as individualidades inexistiram também no Atlético, embora taticamente o time tenha sido desastroso. Ronaldinho fez a diferença como podia, na bola parada, uma vez que jogava desembocado e passou praticamente todo o segundo semestre lesionado. De resto, Fernandinho foi a transpiração pouco inspirada do time, e os demais, um tremendo desastre. Os laterais foram horrorosos, os zagueiros, lerdos, pareciam ter tomado meia dúzia de soníferos, o meio de campo marcou mal e pouco se movimentou, e Jô, no ataque, pouco fez, perdendo as poucas chances que teve. O Galo não mereceu melhor sorte.

O baque é forte na vida do Atlético, como foi para o Inter. Sábado, o Galo jogará uma das mais melancólicas partidas da sua história, sem dúvida. Mas esse é o momento de a torcida, mais do que abraçar o time, abraçar o clube. Em Abu Dhabi, contra o Seongnam da Coreia do Sul, a torcida colorada deu uma demonstração histórica de amor ao clube em momento tão doloroso (http://dilemascotidianos.blogspot.com.br/2010/12/dignidade-e-grandeza.html). Tenho certeza de que os atleticanos farão o mesmo. 

O torcedor do Atlético tem que se orgulhar de tudo que foi feito na temporada, da Libertadores conquistada de forma extraordinária, dos jogos épicos que marcaram não somente a história do Galo, mas também a história do futebol brasileiro. O jogo de ontem foi um vexame? Sim, evidentemente foi. Mas a vida segue. Acima de tudo, só perde semifinal de Mundial quem se classifica para o Mundial. E só se classifica para o Mundial quem ganha a Libertadores. E o Atlético é, ora pois, o atual Campeão da América. E isso não tem derrota que apague.   

4 comentários:

Patryck Leal Gandra disse...

E aê beleza?!

O Atlético-MG teve um grande ano. Um excelente time, um grande treinador e um grande título vindo de maneira difícil. Mas, no jogo considerado fácil, o ano do Galo foi manchado com o verde e branco do Raja Casablanca. Quem sabe se tivesse jogo de volta o Galo recuperava, rs.

Abraços.
FC Gols:
http://fcgols.blogspot.com.br/

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado pela participação, Patryck!

Abraços.

Fernando disse...

Olá Bruno
Realmente foi um ano espetacular para o Galo Mineiro com a conquista da Libertadores. Foi a conquista mais emocionante dos últimos anos tendo que remontar partidas com desvantagem de dois de diferença. Mesmo não sendo atleticano Vibrei com a conquista deles. Mas no Mundial talvez ficou aquele orgulho de que time brasileiro é melhor e eles entraram nervosos em campo. Mas a derrota não apaga o brilho do fantástico ano que tiveram. É tentar voltar e fazer diferente.
Grande abraço
Blog Fernu Fala II
Siga no Twitter

Bruno Mello Souza disse...

Olá, Fernando!

Muito obrigado pelo comentário.

Abraço.