sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Calmo e barulhento

Estou tão calmo e barulhento.

Teria desmaiado após correr, mas bebi um copo d'água.

Diga-me algo sobre um novo lugar, liberte-me daqui.

Não consegui pregar os olhos, deixei tudo para quando o dia amanhecesse.

Procuro um meio termo, uma amenidade qualquer.

A estrada mostra por onde não devo passar.

O tempo voa para tudo que não pode.

E se arrasta para tudo o que realmente me importa.

Silencio o grito.

Traga-me o alívio.

Prenda o fogo.

Deixe-me incendiar.

2 comentários:

Fernando disse...

erryOlá Bruno
a nossa vida é assim, as vz calma, as vz barulhenta, as vezes os dois rs. Difícil estabelecer um meio termo em meio ao caos que ela é.
Grande abraço
Blog Fernu Fala II
Siga no Twitter

Bruno Mello Souza disse...

Olá, Fernando!

Muito obrigado pela participação.

Abraço.