quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Fim da fila

Cuspa no chão, isso não é seu.

Crianças esperam a colherada de sopa batida.

Mundo, tão pequeno mundo.

Ainda estamos esperando pela nossa vez.

Ela nunca chega, estamos sempre no fim da fila.

Os animais comunicam-se melhor.

Malditas marteladas no relógio.

Corra, mas não canse.

Pare, mas não perca a hora.

Deixe-se derrotar mais uma vez, pinte um sorriso.

Ninguém entende, já está entendido.

Somos o mesmo erro.

Se sou um primata detestável, então estou livre.

Não vou lamber o chão, isso não é meu.

Nenhum comentário: