sábado, 2 de novembro de 2013

Alma desfigurada

Dignidade, isso é uma utopia.

Ele tem sorte para perturbar.

Não há ouvidos, apenas tolerância.

Mas queriam vomitar.

Pegajoso e rastejante, essa é uma boa noite.

Estou assistindo e rindo, mas estou detestando.

Após tanto tempo, sua alma está desfigurada.

Não percebe nada, entregou-se a uma insanidade conveniente.

Pode fazer qualquer coisa sem ser interrompido.

A compaixão, por vezes, é algo desprezível e nojento. 

Sinto-me um troglodita, mas tenho algo guardado.

E posso mandá-lo embora a hora que eu quiser.

Ele subiu até perder o ar, agora está descendo.

Não existe perdão, apenas não minta.

O sorriso está pintado, ele não desiste.

Arraste-o para a sarjeta, isso é um vexame.

Ele já não controla os malditos instintos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabens pela tua coragem e teu senso crítico. Abraço.

Bruno Mello Souza disse...

Muito obrigado, Anônimo.

Abraço.