domingo, 13 de outubro de 2013

Tragédia redentora

A chuva molha a terra.

Mas ali nada nasce.

Tudo está calmo e silencioso.

Fantasmas observam o cenário.

Uma única flor nasce para oferecer a pista definitiva.

É o sinal do impossível encontro de todas as linhas paralelas do tempo.

Eis o clarão, tragédia redentora.

E a ficção torna-se realidade.

Agora somos todos e todas as possibilidades.

Re-vida, re-morte, re-vida e re-morte.

E o amanhã torna-se ontem sem jamais ter sido hoje.

Nenhum comentário: