quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Talvez

Algumas vezes penso no final sem ter começado.

Olho para a mesma e velha rua, ainda estou comigo mesmo.

Me vejo enquanto durmo em mais uma tarde.

E morro mais uma vez, ressuscitando depois.

O tempo é rápido, mas lento demais para mim.

Fecho os olhos mais um pouco, buscando alguma resposta impossível.

Quais sonhos eu ainda posso ter?

Meu corpo permanece jovem, mas sinto meu espírito cansado e sem forças.

Talvez um raio de luz toque meu rosto enquanto estou neste quarto escuro.

E talvez o sol seja apenas mais uma ilusão de ótica a preceder a chuva inevitável que molha minhas vistas.

E talvez haja outro talvez...

E talvez haja outro e outro e outro talvez...

2 comentários:

B. disse...

Acredito que a indecisão faça parte do nosso eu "humano". Eu, particularmente, muitas vezes fiquei no meio do caminho, com medo de arriscar, mas acredite, meu amigo, é melhor tomar uma decisão. A dor parece te sufocar, quando você não age, quando você se deixa levar pela maré.

Bruno Mello Souza disse...

Oi, B.!

Muitíssimo obrigado pelo comentário!

Beijos.