sexta-feira, 12 de julho de 2013

Disforme

Acordei, sinto-me bem.

Dormi, sinto-me mal.

Tudo fica disforme quando perdemos a memória.

Tudo faz sentido quando não estamos lúcidos.

Não, não vá.

Os mundos não podem colidir.

Espere um pouco mais, invente uma desculpa qualquer.

Prefiro ficar a sós com você.

E contar as histórias do tempo que passou.

Quero ser um indivíduo, não mais uma formiga.

Há tanto por fazer a contragosto nos dias de hoje.

Não me tire o pouco de conforto que resta.

E se vai passar, não, não me importa.

Um minuto intenso vale mais do que muitas horas enfadonhas.

Nenhum comentário: