quarta-feira, 24 de julho de 2013

Asas quebradas

Reações são desnecessárias.

Suas costas estão doendo.

E suas asas estão quebradas.

Mas ele ainda voa.

Ainda há combustível, vamos queimar mais um pouco.

Há muito em volta, mas nada pode ser tocado.

Dispa sua alma, tire a pele que você está vestindo.

Quero lhe ver por dentro.

Quero viajar, quero navegar no líquido mais puro.

E se este barco estiver afundando, faço questão de deixar meus pulmões serem inundados.

Não há espaço no mundo, não há descanso para a loucura.

Jogue a lucidez num canto qualquer, ela não terá serventia alguma.

Ele sabe que voltará ao mesmo ponto.

O amanhã jamais existirá.

Porque ele ainda voa.

E ele ainda cai.

Nenhum comentário: