terça-feira, 25 de junho de 2013

Não me pergunte

Não me pergunte por que dói.

Minhas explicações não vão lhe convencer.

Não me pergunte com o que sonho.

Meus sonhos jã não adiantam para nada.

Não me pergunte por que calo.

Minhas palavras são estéreis diante do fatalismo da minha existência.

Não me pergunte o que sinto.

Meus sentimentos são lâminas que rasgam a pele e fazem sangrar.

E não me pergunte por que ainda estou aqui.

Não sei dizer isso nem para mim mesmo.

2 comentários:

Ique disse...

também não sei dizer, então fiquei bem quieto

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado pela visita, Ique!

Abração!