domingo, 16 de junho de 2013

Barulhento

Estou muito barulhento hoje?

Reclame mais, incomode mais.

Não estou dando a mínima.

E quero fazer mais barulho.

Não estou dando a mínima, entenda.

Não vou pedir desculpas.

Preciso descansar, e se isso lhe cansa, entenda.

Não estou dando a mínima.

Essa noite um tsunami atingiu minha cama.

Quase morri congelado, mas não me afoguei.

Era apenas mais um pesadelo.

Diga mais coisas que você odeia.

Estamos no muro das lamentações.

Mas não estou dando a mínima.

E não vou pedir desculpas, entenda.

Você jamais entenderá o que digo, e nem faço questão disso.

Dê mais lições de moral, ensine-me a comer lixo.

Está na página 15 do seu manual.

As guitarras distorcidas dizem coisas mais úteis do que a sua boca.

Pequenas misérias, compreendo, mas deixe-me em paz.

Só não esqueça que não estou dando a mínima.

E não, não, não vou pedir desculpas! 

2 comentários:

Diego D' Avila disse...

Reconhecer um erro se faz necessário, algumas vezes, mas se é alguém querendo nos calar, porque se incomoda com nosso barulho, mas não se incomoda com o barulho da cidade promovido pela Governo (por exemplo), então, nada de desculpas, solos de guitarra no tímpano dele. Mande-o à ****. E, claro, ignorar não dando a mínima também é sempre uma bia saída.

Bruno Mello Souza disse...

É bem isso aí, Diegão!

Abraço!