sexta-feira, 17 de maio de 2013

Pequeno verme

Do outro lado do vidro, as esperanças daquele garoto.

Pequeno verme procurando água limpa para contaminar.

Correndo e rastejando em sua falta de dignidade.

Senti vontade de rir, mas estava entediado demais para isso.

Ele está longe do que quer, enquanto eu como pipocas.

Fazemos parte da mesma humilhação.

Sub-seres em busca de uma sobrevivência mesquinha e miserável.

Urina cai do céu enquanto todos fogem.

Estão debochando de você, garoto inútil!

E de que adiantou seu desespero?

As vontades são as nossas prisões.

Cantamos no vácuo.

Corra, corra, corra!

E não chegue a lugar algum.

2 comentários:

Ique disse...

hmmmm isso é pessimiso ou realismo? visão do real ou embaçada pela lente suja nos olhos?

é assim tão feio, ou você que acha?

eu estou tentando saber também...

Bruno Mello Souza disse...

Olá, Ique!

Muito obrigado pela visita!

Volte sempre.

Abraços.