domingo, 26 de maio de 2013

Novo velho homem

Seu peito é um cemitério de almas.

Mas ele precisa reviver.

Sua mente é pista congestionada e caótica.

Mas ele precisa de um pouco de paz.

Doçura percorrendo suas veias.

A amargura se foi com a descarga.

Ele é um novo velho homem.

Alimentando a doença que lhe permite sobreviver.

Tudo ressurge quando as nuvens vão embora.

O céu aberto é um delicado convite.

Ruas cheias, balões coloridos, um novo sorriso.

Os significados se ressignificam.

Nada mais será como antes.

Mas tudo permanecerá exatamente igual.

4 comentários:

B. disse...

Há coisas passadas que sempre estarão presentes em nós. Mesmo assim, podemos conviver com elas e adentrar para o futuro.

Bruno Mello Souza disse...

Verdade, B.

Muito obrigado pela participação.

Beijos.

Diego D' Avila disse...

Recomeços... Sei bem como é isso. 2013 me fez este novo velho homem. Abração Bruno.

Bruno Mello Souza disse...

Obrigado pela participação, Diego!

Abraços.