quarta-feira, 22 de maio de 2013

No tempo errado

Sempre chegando atrasado, sempre chegando atrasado.

Alguém sempre à sua frente, alguém sempre à sua frente.

O seu relógio não funciona, o seu relógio não funciona.

E o calendário está rasgado, o calendário está rasgado.

Esperando a hora certa, esperando o dia certo.

E caindo pelos cantos, e morrendo pelos cantos.

Desvirginando a sua calma, estuprando a sua alma.

E rasgando suas entranhas, com pessoas tão estranhas.

Sempre chegando adiantado, sempre chegando adiantado.

Se jogando em água suja, e nadando em água suja.

Sem nenhuma novidade, perdendo pra ansiedade.

Lamentando o que fez ontem, insatisfeito com o hoje.

Adentrando o escuro, asfixiando o escuro.

Vai matando o que sente, estrangulando o que sente.

Olhando tudo à distância, calando tudo que dá ânsia.

E rasgando suas entranhas, com pessoas tão bacanas...

2 comentários:

B. disse...

Seu texto dá uma música, hein? O ritmo das palavras, é deslumbrante.

Bruno Mello Souza disse...

Muito, muito, muito obrigado pelo comentário, B.!

É sempre incrível te receber por aqui.

Beijo.