sábado, 11 de maio de 2013

Filhos bastardos

Uma nova vida, um velho renascimento.

Eterno retorno ao pó e ao solo, sete palmos abaixo dos pés que nos pisam.

A existência é uma obscenidade.

E o mundo é regido pela morbidez de nossos espíritos.

Estamos longe de qualquer resposta.

Mas na verdade nunca soubemos quais perguntas deveríamos formular.

E tudo se vai rapidamente, num turbilhão.

Somos os filhos bastardos do criador.

Somos um aborto fracassado, sangrando e sobrevivendo teimosamente.

Somos o nada que insiste em ser alguma coisa...

2 comentários:

B. disse...

Achei teu texto muito "forte", contudo, muito coerente com as dúvidas que desnorteiam o ser humano. É tudo incerto, o mundo é constituído de um eterno mistério!

Bruno Mello Souza disse...

Oi, B.!

Muito obrigado pela participação!

Beijos.