sábado, 2 de março de 2013

Reino da Livre Moeda

Acordo com a doce sensação de que vivo uma era auspiciosa, aqui no Reino da Livre Moeda.

Somos plenos de liberdade por essas terras.

Só se é livre quando se é átomo.

E como aprendemos bem o dom de sermos átomos!

O todo é bobagem.

Aqui, o Fiat 147 é livre para vencer a Ferrari num emocionante duelo de velocidade.

O garoto pobre da periferia é livre para vencer o bem-nascido no vestibular.

E o mendigo que come lixo é tão livre quanto o Eike Batista para desfrutar os benefícios da existência.

Basta empreender.

Sair da vagabundagem típica da ralé.

Pobre é vagabundo.

Rico é bon vivant.

Que se ganhe, pois, o sagrado símbolo da liberdade: a nota ainda quentinha que sai da miraculosa máquina que abençoa o esforço do indivíduo.

Às vezes, o esforço é herdado, é bem verdade.

Mas qual seria a graça da vida sem a dádiva da acumulação hereditária?

Imenso presente de Deu$.

É só então que, ao esfregar os olhos, acordo de verdade, observando o catador de lixo na rua em pleno domingo de manhã.

Ele não é livre... 

Mas não é livre porque não teve méritos.

E isso, em si, não é um problema.

Afinal de contas, no Reino da Livre Moeda, liberdade e mérito individual também são bens de consumo.

Por vezes, bastante caros...

6 comentários:

Diego D' Avila disse...

Mandou muito bem, Bruno. Neste reino, infelizmente, poucos percebem a pobreza e sabem que ela não corresponde a liberdade alguma. Liberdade é ilusão para quem faz parte da nobreza do Reino da Livre Moeda.

O site mudou de endereço, acesse leaodegaza.blogspot.com.br

Bruno Mello Souza disse...

Exatamente, Diego.

Muito obrigado pela participação!

Abraços.

B. disse...

Quem dera existisse um mundo onde todas as pessoas fossem iguais e livres. É o tal do socialismo utópico que, na minha opinião, atualmente é impossível alcançar. E seguimos nessa onda do capitalismo, que nos levará ao fim.

Bruno Mello Souza disse...

Concordo contigo, B.

Hoje em dia, sou muito cético em relação ao socialismo. Deixei de crer nessa possibilidade.

Mas o capitalismo também não me serve. É um sistema perverso, pelo menos quando consideramos cenários de extremas desigualdades, como é o caso brasileiro.

Atualmente, confesso que ando meio niilista do ponto de vista político.

Beijos.

Fernando disse...

Olá
Digo mais, liberdade é o bem mais caro que existe e tem mta gente achando q é livre e jamais foi. Talvez o nosso catador de lixo seja mais livre do q mtas pessoas por aí rs
gde abrsss
Fernando
http://fernu5083.blogspot.com.br/

Bruno Mello Souza disse...

Olá, Fernando!

Muito obrigado pela participação!

Abraço!