terça-feira, 12 de março de 2013

Despertar alucinógeno

Acordo com a visão embaçada.

Coloco-me em frente ao espelho, e esfrego os olhos.

O tempo passou, e enxergo uma figura pálida e envelhecida, revelando-se assustadoramente.

Foram anos que escorreram pelos dedos.

Sou, então, engolido pelos meus pensamentos.

Sensações em ciclos intermináveis, páginas diferentes que insistem em contar a mesma história.

Resguardo-me no silêncio e na escuridão.

Agarro-me à esperança de que isso tudo seja um efeito alucinógeno proporcionado por um sonho maluco.

Que este despertar seja apenas uma ilusão desagradável.

E que eu ainda possa acordar de verdade, num dia de sol que me permita recomeçar do zero o meu anseio de viver.

2 comentários:

Blog Está na Estante disse...

Às vezes não nos reconhecemos, aí sentimos a vontade de recomeçar e uma das formas é escrever.

Sucesso!!

tanaminhaestante.blogspot.com

Bruno Mello Souza disse...

Olá!

Muito obrigado pela visita e pelo comentário!

Abraços!