segunda-feira, 18 de junho de 2012

Páginas em branco

Mais um nome escurece minha alma.
Tantos sorrisos foram desperdiçados nas últimas 24 horas.
Estou comigo mesmo, remoendo um passado remoído.
Não haverá alento que nos salve.

Eu lutei muito, lutei além das forças.
Mas agora estou cansado, sou um fantasma que vaga sem rumo.
Minhas lembranças e seu esquecimento, eis a fórmula que me despedaça.
Então fecho os olhos, busco um pouco de paz em vão.

Não há nada pior do que o vazio das páginas em branco.
Lembro-me da foto que nunca tiramos, da viagem que nunca fizemos.
Lembro-me até da briga que nunca tivemos.
E assim vão se passando dias nulos que jamais serão compensados.

O mundo gira, contrastando com minha maldita inércia.
Vivemos uma revolta conformada, observando nossa auto-destruição.
Estamos ausentes de nossas próprias vidas.
E mesmo que tudo se acabe, permanecerei sentindo dor.   

Nenhum comentário: