terça-feira, 17 de abril de 2012

Empada

Na parada de ônibus:

- Ô, senhor, quer comprar um salgado?
- Hum... O que você tem aí?
- Tenho croquete, coxinha, risoles, pastel, empada...
- Ah, eu gosto de empada! Do que você tem aí?
- Tem de carne de gado, tem de frango, e tem de carne humana, também.
- Uau! Carne humana?
- Sim! Tá na crista da onda! Maior sucesso! É o salgado que mais tá saindo! Disparado!
- Será que é bom?
- É ótimo! Comigo é só produto de qualidade.
- Humm... Vou provar, então. Me vê uma empada de carne humana aí, por favor.
- São dois e cinquenta.
- Ó, tá aqui.
- Pronto! Tá na mão.
- Deixa eu ver... Hummmm... Que delícia!
- Não falei?
- Ótimo isso aqui, hein? Bem feitinho!
- Com certeza! Foi feito com muito carinho. E é carne bem selecionada, passou pela vigilância sanitária,  com todos os carimbos, essa coisa toda.
- Nossa, excelente! Com certeza uma boa pessoa, essa aqui, hein? Uma carne muito saborosa! Você sempre vende esses salgados por essa região?
- Sim, senhor! Tô todos os dias por aqui.
- Maravilha! Você ganhou um cliente, hein?
- Que bom! Quando quiser comprar, é só chamar! Vai ajudar bastante, porque tô pensando em expandir os negócios, partir pro ramo do churrasquinho também...
- Vai ter de carne humana?
- Mas claro! De que adianta ser igual aos outros? A gente tem que ter espírito empreendedor!
- Ôh... Vai ser um sucesso!
- Se Deus quiser!
- Ele vai querer. Você me parece um sujeito bacana, humilde, de bom coração. Você merece.
- Poxa, obrigado!
- Não tem o que agradecer! Só tô dizendo a verdade!

Nenhum comentário: