segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

A razão e o abismo

O sol neste passar de dias cozinha pensamentos outrora crus.
Lógica sem lógica, lógica sádica.
Movimentos antecipados, jogo de xadrez.
Acabaremos todos derrotados.

Guiados pela razão, rumamos ao abismo.
Estamos assassinando nossos sonhos.
Em meus ouvidos, sussurros de uma versão inconveniente dos fatos.
Fecho os olhos e me jogo, na esperança de estar vivo ao final da queda.

Não temos mais alma, que lugar é esse?
Haverá revelações ainda mais atordoantes?
O fim do mundo, o nosso fim, muito por ainda se dizer.
A cada noite, mastigamos a dor, mas não conseguimos engoli-la.

A caixa de ilusões nos diz o que fazer com seu manual do sucesso certeiro.
Mas quero mais do que isso.
Imagens, sons e palavras já não me bastam.
Meu espírito está faminto de verdadeiros motivos, que irradiem do coração e dêem sentido a esta asséptica existência.

E você, amigo, onde pretende chegar?
Correndo com o pé no freio.
Amando racionalmente.
Humilhando com humildade.

E você, amigo, onde pretende chegar?
Matando em nome das causas mais nobres.
Apodrecendo com o melhor perfume.
Morrendo com o terno mais bem alinhado.

Chegou a hora de romper esta lógica sem lógica, de pulverizar de vez esta lógica tão sádica. 
Sobrevivência não significa necessariamente vida. 
  

domingo, 25 de dezembro de 2011

Infame

Pedro e Sérgio, conversando na lancheria:

- Pedro, se você pudesse ser uma criatura mitológica, qual você seria?
- Ah, sei lá... Um gnomo, ou um duende, talvez... Acho divertido.
- Eu não. Gostaria de ser um elfo.
- Não conheço direito...
- São figuras conhecidas por serem bonitas, atraentes, férteis. Acho que eu ia fazer sucesso.
- Ah, sim, agora me lembrei! Elfo é legal, e realmente é bastante cativante. Tinha aquele, bem famoso, né?
- Hum... Qual?
- O Elfo Pressley.
- Er... Ah, tá...  

sábado, 24 de dezembro de 2011

Barcelona x Caxias

O jogo entre Barcelona e Santos foi pura perda de tempo. Um alarde sem precedentes para um jogo entre desiguais. Que Santos, que nada! Jogão para esse time do Barcelona seria contra o Caxias do ano 2000! Duelo de titãs em azul-grená! O esquadrão do Guardiola contra o esquadrão do Tite! Dois times mágicos! 

Valdes versus Gilmar.

Daniel Alves versus Jairo Santos.

Puyol versus Paulo Turra.

Xavi versus Ivair.

Iniesta versus Márcio Furada.

Villa versus Adão.

E, claro, o grande embate, duas lendas, dois craques de primeira grandeza em lados opostos: Messi versus Gil Baiano.

Esta partida, sim, o mundo inteiro contaria os dias, as horas, os minutos e os segundos para ver! Que jogo, amigo! Que jogo!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Box

Pedro e Sérgio, conversando na lancheria:

- Pedro, quando você vai entrar no banho, por qual lado você entra?
- Como assim, Sérgio?
- Quando você vai entrar no box: você entra pelo lado que tem o chuveiro, ou pelo outro?
- Ora... Pelo outro.
- Pelo outro?
- Sim. Pelo outro. É assim que é o certo.
- Mas... Eu entro pelo lado do chuveiro...
- Tá errado. É pelo outro.
- E aí você pisa no chão frio para alcançar o registro?
- Sim.
- Mas isso é ruim.
- É assim que funciona.
- Eu gosto de entrar no box com o chuveiro já ligado.
- Pois você está cometendo uma ilegalidade. A Convenção Internacional dos Tomadores de Banho estabeleceu esta regra em 1973.
- Poxa! É mesmo?
- Não, não... Isso eu inventei.      

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Anacronismo

- Filho, já está quase na hora! Desce!
- Já vou, pai! Estou atualizando meu Facebook e dando uma olhada nos e-mails!
- Vê se dá uma acelerada! Não quero que a gente se atrase!
- Já vou! Já vou!
- Vem logo! Quero ver o discurso do Getúlio desde o início, e tá quase na hora do bonde passar!
- Calma!
- Se a gente se atrasar pode ir dando adeus ao ingresso para o show do Restart, hein?
- Ah, paiê! Segura a onda!
- E também pode esquecer o Playstation 3!
- Tá bom! Tá bom! Já tô indo...

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

As 10 melhores cenas da trilogia "O Poderoso Chefão"

"O Poderoso Chefão" é, sem sombra de dúvidas, a melhor trilogia de todos os tempos. Com um elenco fantástico, no qual se destacam Marlon Brando, Al Pacino e Robert de Niro, entre outros, os três filmes são verdadeiras obras de arte, dirigidas magistralmente por Francis Ford Coppola. Exatamente por isso, a saga conta com uma série de cenas inesquecíveis. Passo a listar abaixo, assim, as 10 melhores cenas da trilogia:

10ª posição: O ataque de helicóptero ordenado por Joey Zasa contra Michael Corleone, após discussão em um reunião, é uma das grandes cenas de "O Poderoso Chefão- Parte III" (http://www.youtube.com/watch?v=Td8eEM9KDig).

9ª posição: A nona melhor cena da trilogia também vem da terceira parte, e se passa numa reunião entre Michael Corleone, Vince, seu sobrinho, e Joey Zasa (http://www.youtube.com/watch?v=-hBNIIib5uw).

8ª posição: No primeiro filme, Santino Corleone dá uma surra em Carlo, que havia espancado sua irmã, Connie Corleone (http://www.youtube.com/watch?v=p5E6FCPyiPs&feature=fvst).

7ª posição: Na segunda parte da trilogia, o senador Geary tenta extorquir Michael, que responde seco: "Minha oferta é esta: nada" (http://www.youtube.com/watch?v=wPmTp9up26w).

6ª posição: O jovem Vito Corleone, brilhantemente incorporado por Robert de Niro, volta à Sicília para vingar a morte do pai, ocorrida quando ele ainda era pequeno (http://www.youtube.com/watch?v=gCdXiOssbM0&feature=relmfu).

5ª posição: Michael avisa o irmão Fredo que sabe de sua traição: "Eu sei que foi você, Fredo. Você partiu meu coração" (http://www.youtube.com/watch?v=FcFlp6kl508).

4ª posição: Don Vito Corleone dá uma bronca no afilhado Johnny Fontaine, que chora ao lhe pedir um favor (http://www.youtube.com/watch?v=eTq0JakJ3jA).

3ª posição: No segundo filme, Kay, esposa de Michael, confessa ter feito aborto intencional (http://www.youtube.com/watch?v=_g9RI0GgRIQ).

2ª posição: Cena clássica do primeiro filme da trilogia. Se você acordar com uma cabeça de cavalo na cama, é melhor tomar cuidado... (http://www.youtube.com/watch?v=avER-t6GL4U).

1ª posição: A morte de Mary Corleone, filha de Michael, seguida das memórias e da morte do mesmo, já velho, forma um desfecho belíssimo para a trilogia (http://www.youtube.com/watch?v=oA78zejFZK8).     

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

DC Gourmet: bife ao molho de leite condensado

Ingredientes:
- 1 bife bovino;
- Azeite;
- 1 lata de leite condensado;
- 1 cebola picada;
- 1 tomate picado;
- Sal a gosto.

Modo de preparo:
Bife:
- Deixe o azeite aquecer numa frigideira. 
- Assim que estiver no ponto de fritura, acrescente o bife. 
- Coloque um pouco da cebola sobre o bife, e deixe dourar.
- Acrescente sal a gosto. 
- Assim que o bife ficar pronto, coloque-o num recipiente à parte.

Molho:
- O primeiro e fundamental passo é abrir a lata de leite condensado. Para isso, use um abridor de latas.
- Despeje o leite condensado numa panela, em fogo brando.
- Coloque a cebola e tomate, de uma só vez.
- Mexa durante aproximadamente 5 minutos.    
- Adicione sal a gosto.
- Em seguida, despeje o molho sobre o bife, e pronto! Eis o nosso bife ao molho de leite condensado!

Observações:
- O bife ao molho de leite condensado é uma ótima pedida para a ceia de natal. Basta multiplicar os ingredientes pelo número de pessoas que irão degustá-lo.
- Não sei o gosto com o qual essa merda vai ficar. Mas pelo menos você poderá se gabar de fazer um prato do qual ninguém ouviu falar. Exatamente por isso, os convidados acharão que se trata de algo extremamente sofisticado, e, para não parecerem ignorantes, derramar-se-ão em elogios às suas habilidades culinárias.

Bom apetite!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Balinhas

- Olá... Me veja aí umas dez balinhas, por favor.
- De morango ou de iogurte?
- A de iogurte é de quê?
- De iogurte, ué...
- Tá. Mas, iogurte de quê?
- Ah, sim... Iogurte de morango.
- Ora... Então é a mesma coisa!
- Não, não é.
- Como não?
- Uma é de morango. A outra é de iogurte de morango. Isso muda tudo!
- Muda?
- Muda.
- Então tá... Faz assim: me dá cinco de morango, e cinco de iogurte de morango.
- Boa pedida! 

domingo, 18 de dezembro de 2011

Messi, é claro

O que falar desse time do Barcelona, que agora há pouco passou por cima do Santos? Só aquilo que já está batido. É um time extraordinário. Coloca o adversário na roda com incrível simplicidade. Toca a bola com categoria inigualável. O Barça brinca de jogar futebol quando está com a redonda nos pés.

O Barcelona tem um gênio: Messi. Dos seus pés, só saem coisas boas. Mas o Barcelona tem mais do que Messi. Tem dois craques de primeira grandeza no seu meio de campo. Até certo ponto discretos. Não são jogadores pirotécnicos. Mas na simplicidade do seu futebol reside toda a força que move o time catalão: Xavi e Iniesta. O Barça também tem Daniel Alves, que, se não é brilhante, movimenta-se de forma estonteante, e é um ala com presença ofensiva permanente. Ah, e já ia esquecendo: hoje o Barcelona não tinha o ótimo Villa.

O time azul e grená tem ainda uma fantástica obsessão pela bola. Marca muito. Algumas vezes, este aspecto é negligenciado. Mas é ponto fundamental que faz da equipe espanhola a máquina de jogar futebol que ela é. Desde os atacantes, todos marcam. Não deixam o adversário respirar. No futebol brasileiro, os atacantes, sem a bola, rebolam. No Barça, eles atuam coletivamente. E sem vaidades. Messi, o extraordinário Messi, marca. 

Do título do Barcelona, fica também uma grande lição para a imprensa brasileira, que é pródiga em exagerar em ufanismos e falsas disputas. Certa feita, a imprensa paulista, antes de um Inter e Palmeiras, mancheteou algo como: "Quem é melhor? Falcão ou Mococa?". No dia seguinte, após triunfo do Colorado com magnífica atuação do Bola-Bola, teve que dar o braço a torcer: "Falcão, é claro". Neste Mundial, ocorreu algo semelhante, guardadas as devidas proporções. Jogo do século? Messi versus Neymar? Faltou seriedade e humildade. O Santos só poderia se tornar protagonista se adotasse, a priori, o papel de coadjuvante. Não o fez. Atônito, observou o Barcelona jogar. Sucumbiu solenemente. Fez-se de protagonista antes, para tornar-se constrangedor coadjuvante na hora do vamos ver. 

E a patética questão alardeada pela imprensa tupiniquim nos últimos meses parece estar bem respondida: Messi, é claro.  

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

5 anos...

Estádio Internacional de Yokohama, 17 de dezembro de 2006.

No campo, Inter, Barcelona, e a história.

90 minutos que marcam uma vida inteira.

90 minutos para ser dono do mundo.

Cada colorado estava lá, dentro das quatro linhas.

Na marcação ferrenha de Ceará sobre o então melhor do planeta...

Em cada corte do Eller...

Nos dribles do Pato...

Na exemplar obediência tática de Fernandão...

Na defesa espetacular do Clemer, de mão trocada...

No nariz quebrado do velho Índio...

Na valentia ensandecida do Edinho...

Na retenção de bola do Iarley, na lateral do campo...

No abençoado chute do Gabiru, no resvalar da luva do Valdes...

Sim, cada um de nós estava lá, se não com o corpo, certamente com a alma.

Aquele "vamo, vamo, Inter" ainda ecoa naquele estádio nipônico.

Ainda ecoa em nossos corações. 

Saia

Pedro e Sérgio, conversando na lancheria:

- Pedro, olha lá!
- Opa! Que saia é aquela?
- Loucura, né?
- Poxa... Que mulherão... Que beleza...
- Nossa!
- Impressionante...
- Praticamente um absurdo! O que ela quer com aquela saia? Destruir toda a base pela qual se sustenta a nossa sociedade? Que escândalo!
- É... Melhor nem olhar muito...
- Pois é... 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Um pai furioso...

- Moleque cagão! Como é que um filho meu pode fazer isso? 
- Calma, amor... Não grita assim com ele...
- Grito sim! Onde já se viu isso? Só sabe fazer merda! Só faz merda! 
- Por favor, meu bem, pare de gritar...
- E não adianta ficar aí choramingando, guri! Seja homem e assuma seus atos! 
- Amor, por favor se acalme... Ele só tem dois meses. Basta trocar a fralda.
- Não quero saber! Não é de hoje que ele só faz merda! Só merda! Moleque cagão! Moleque cagão!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Mazembe Day

Figura nos Trending Topics do Twitter o Mazembe Day. É uma celebração de torcedores gremistas para a maior derrota da história do Inter, na semifinal do Mundial ocorrida há exatamente um ano.

Não vejo com irritação esta comemoração tricolor. Pelo contrário, até compreendo. Para quem não ganha nada importante há dez anos, só resta mesmo celebrar as tragédias de terceiros. A história contemporânea do Grêmio tem como seus dois maiores momentos uma vitória sobre o Náutico pela segunda divisão em 2005, e uma derrota colorada no Mundial Interclubes de 2010. Tem que comemorar, mesmo.

Não deixa de haver, também, uma fina ironia no fato de a maior alegria recente de uma torcida que chama os outros de "macacos imundos" residir na vitória de um time... Africano! Do Congo! Se fosse propaganda de cartão de crédito, daria para dizer que é o tipo de coisa que não tem preço.

Aos gremistas, desejo que comemorem bastante o seu Mazembe Day. Cada um homenageia suas glórias, de acordo com sua grandeza. É assim mesmo. Dia 17  é a vez de nós, colorados, comemorarmos nosso grande momento. 5 anos de Mundial FIFA conquistado sobre o Barcelona. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Na exposição de fotografias

- Poxa, pai... Que bonita essa foto da árvore, né?
- Sim, filho. É linda. Bem na hora do pôr-do-sol.
- E aquela ali da lagoa, hein? Gostei também!
- Muito bonita. Mas ainda prefiro a da árvore.
- Ih, pai, olha aquela lá. 
- Qual?
- Ali, ó. Ah, não, dessa não gostei. Pra que tirar a foto de uma caveira? Que mensagem negativa!
- Ah, filho, essa aí é de uma top model...
- Morta?
- Não. Anoréxica.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Na balada

- Oi, Priscilla! Você está linda hoje, sabia, gatinha?
- Obrigada! Pena que não posso dizer o mesmo de você...
- Ora... Por quê? Não acha que estou linda?
- Não, Marta. Não acho. Não amola, tá? Tchau.
- Ei, princesa... Volta aqui... Vamos conversar...

domingo, 11 de dezembro de 2011

Van Gogh

Pedro e Cláudia, conversando na lancheria:

- Sabe, Pedro, ultimamente tenho me interessado muito mais pelas artes...
- Poxa, isso é bom... Bom mesmo.
- Van Gogh, por exemplo, é fantástico! O que você acha dele?
- Acho ótimo. Nada como uma música de qualidade. Chego a me emocionar quando ouço...
- Er... Ele era pintor...
- Ah, claro! É verdade! Ai, ai... Essas vans, sempre me confundindo... Me emociono com as pinturas dele, também.
- Que coisa...
- Hehehe...

sábado, 10 de dezembro de 2011

Contradições

Um sentimento estranho me invade.

Não é de alegria, mas também não é de tristeza.

Estou mais leve, mas estou atordoado.

Tenho uma certeza que me enche de dúvidas.

Não choro, não sorrio.

Não sei o que pensar.

Sinto a vida, estou em calmo luto.

Não há respostas, apesar da letra fria.

Sinto culpa, mas sou inocente.

Apenas sei que a vida segue.

Que siga melhor.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sinto falta...

Sinto falta do verão passado.
Do brilho nos seus olhos.
De todo o significado daqueles momentos.
E daquela nossa comunhão.

Sinto falta dos sonhos que sonhávamos juntos.
Da ternura, do carinho em cada gesto.
Do bem-estar que me invadia quando te via.
Da euforia mal disfarçada de cada "oi", e da emoção transbordante de cada "tchau".

Sinto falta da sua alegria inocente.
Dos toques de nossas mãos.
De quando eu podia te admirar, meio bobo.
E do coração acelerado a cada encontro.

Sinto falta do ontem.
Sinto falta do hoje.
Sinto falta do amanhã.
Sinto falta do sempre, que, com o passar do tempo, se transformou em nunca.

Sinto falta de você, menina. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Vem aí o livro "Identidade Xavante"

O Brasil de Pelotas é uma das grandes forças do futebol do interior do Rio Grande do Sul. Primeiro Campeão Gaúcho, em 1919, o clube construiu, ao longo dos seus cem anos de vida, uma história riquíssima, marcada por momentos doces e amargos, mas, acima de tudo, jamais perdeu sua identidade de time dono de uma torcida absolutamente apaixonada (disparadamente a mais fiel do interior).

É exatamente esta a maior marca, o maior patrimônio do Brasil: a sua torcida. Na alegria ou na tristeza, ela, a massa xavante, está sempre ao lado do time. Seja na vitória histórica de 1950, em pleno Estádio Centenário, contra a Celeste Olímpíca que viria a ser Campeã do Mundo naquele mesmo ano, seja nas duríssimas peleias pelos campos do interior gaúcho, o amor dos xavantes é o mesmo. Seja na vitória contra o Flamengo de Zico, numa semifinal de Brasileirão em 1985, seja na dor da tragédia que vitimou, além do então preparador de goleiros, Giovani Guimarães e do jogador Régis, o eterno ídolo Cláudio Milar, a massa nunca abandonou este clube. 

Esta é, pois, a essência do Brasil: trata-se de um clube movido por amor. Fundada em 7 de setembro de 1911, a agremiação comemora, neste ano, o seu centenário. E, evidentemente, este momento não poderia passar em branco: tem que ser em vermelho e preto. Por isso mesmo, a Editora Textos lançará, no dia 10 de dezembro, o livro "Identidade Xavante", retratando, em 228 páginas e 300 imagens, todos os principais momentos do clube detentor da maior e mais apaixonada torcida do interior do Rio Grande do Sul. O evento acontecerá no Quiosque Nelson Nobre Magalhães, no calçadão da Rua XV de Novembro, em Pelotas.

Recomendo este livro não só aos torcedores do Xavante, como também a todos aqueles que são apaixonados por futebol. É mais do que um livro: trata-se uma peça para colecionadores, com qualidade gráfica e de material de primeiríssima linha. Quem se interessa pela história do futebol gaúcho e brasileiro não pode negligenciar esta obra.  

Vale ressaltar, ainda, que todo o lucro obtido pelas vendas do livro será remetido à Associação Cresce, Xavante!, que destinará estes recursos para um novo projeto de reestruturação das arquibancadas do Estádio Bento Freitas, casa do Brasil. 

O livro poderá ser encontrado na loja virtual Cresce, Xavante! (www.crescexavante.com/produtos), na secretaria do clube (Rua João Pessoa, 694, Centro de Pelotas), ou na loja Tribo Xavante (Rua Sete de Setembro, 244, Pelotas).

Para mais informações sobre o clube e o livro, acesse:
Site Oficial do Grêmio Esportivo Brasil: http://www.gebrasil.com.br/
Site Oficial do livro "Identidade Xavante": http://www.identidadexavante.com.br/
Site da Associação Cresce, Xavante!: http://www.crescexavante.com/

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Inter na Libertadores 2012

A vitória sobre o Grêmio no domingo garantiu ao Inter uma vaga na Libertadores de 2012. O Colorado entrará na primeira etapa, de mata-mata, que antecede a fase de grupos. 

Sem dúvida, é bom estar mais uma vez na competição mais importante da América. Porém, tal fato não deve ser comemorado tão entusiasticamente. Critiquei o Grêmio quando este comemorava exageradamente conquistas de vagas nos últimos anos. Não é agora que mudarei de opinião e postura. Vaga é vaga. E o Inter tem que perseguir títulos.

Para a folha de pagamentos que o Colorado possui, ganhar uma sofrida quinta posição no Brasileirão é pouco. Isto aconteceu graças a uma administração que cometeu muitos erros que não podia ter cometido. O Inter titubeou em muitos sentidos: não deu respaldo ao Falcão, desperdiçou preciosos pontos sob o comando de um aspirante a treinador (Osmar Loss), perdeu tempo com ex-jogadores e alguns pernas-de-pau, deixou de ser incisivo em momentos cruciais do campeonato. 

Com tudo isso, porém, o Inter chegou à Libertadores. Mesmo mal administrado em seu departamento de futebol, o Colorado chegou. Isto aponta, evidentemente, o crescimento absurdo que o clube teve nos últimos anos. Há dez anos, conquistar uma vaga à Libertadores era um sonho, quase uma utopia. Hoje em dia, é obrigação.

Hoje, o Inter não só participa frequentemente da Libertadores, como banalizou o fato de conquistar uma vaga para a mesma. E isto é extremamente positivo. Hoje, a vaga por si só não satisfaz, como satisfaria antigamente. Ela só vale alguma coisa se for para disputar o título, o qual já foi conquistado pelo alvirrubro duas vezes nos últimos seis anos.      

Precisamente pela dimensão que tomou, de ser um dos gigantes da América, o Internacional tem que se repensar profundamente para a próxima temporada. O clube tem que saber por que ganha e por que perde. 

Luís Anápio Gomes, o vice de futebol, visivelmente não entende quase nada do riscado. Por isso, talvez uma mudança no departamento de futebol seja deveras importante para evitar que o ainda inexperiente Fernandão fique sobrecarregado. 

O elenco, por sua vez, apesar dos altos valores salariais globais, é insuficiente para se sonhar com título de Libertadores. Isto ficou mais do que provado ao longo do ano (não esqueçamos que frequentes vezes morremos nas mãos de Delatorres, Jôs, Bolívares, dentre outros menos cotados) Dispensas deverão ser realizadas, e não em pequeno número. E contratações pontuais e de primeira linha deverão ser feitas com relativa urgência, aliadas às jovens promessas das categorias de base.

A vaga conquistada no domingo só vale alguma coisa se for em nome do Tri da América. E, para conquistar o Tri da América, o Colorado precisa se oxigenar de maneira substancial. 

Portanto, Luigi, Fernandão, Dorival e cia: mãos à obra! E pra já! 

domingo, 4 de dezembro de 2011

A obrigação é do Inter

O Gre-Nal de logo mais promete grandes emoções. Vale vaga de Libertadores para o Inter. Pelo tamanho da sua folha, e pela quantidade absurda de pontos ridiculamente perdidos, o time colorado já devia ter assegurado esta vaga há algum tempo. Mas não o fez, e ficou tudo para o clássico.

Dessa forma, agora o time vermelho e branco ficou com a inadiável responsabilidade da vitória. O Inter terá um Beira-Rio em ebulição a seu favor. Terá a motivação de mais uma participação em Libertadores. Já o Grêmio joga de sangue doce. Para o time tricolor, a partida vale tão somente atrapalhar a vida do Colorado, o que, para ele, não chega a ser grande novidade, pois nos últimos dez anos suas únicas alegrias são provenientes das tragédias alheias. 

Para conquistar a vaga, a equipe alvirrubra ainda terá de contar com resultados paralelos, resultados estes que não têm nada de improvável: o Flamengo, concorrente direto, enfrenta o ótimo Vasco, que ainda luta por título; e o Coritiba, outro postulante à vaga, e que está à frente do Inter, encara um Atletiba histórico, contra um Atlético desesperado, em uma Arena da Baixada lotada.

Com isso, o que resta? Resta que o Inter, sim ou sim, tem que se entregar de corpo e alma no Gre-Nal. O Inter tem que fazer a sua parte. Tem mais qualidade que o Grêmio. E não pode, de forma alguma, estar menos motivado que um time que não joga por nada para si, e está com um treinador que já garantiu que esta é sua última partida em seu comando. Gre-Nal é Gre-Nal, já diria o filósofo. É clássico, e, enquanto clássico, guarda seus mistérios e imprevisibilidades. Mas, ainda assim, ainda considerando todos os ingredientes inerentes ao confronto de maior rivalidade do país, cabe ressaltar: a obrigação, caríssimos amigos, é toda do Inter. 

sábado, 3 de dezembro de 2011

Viver...

Nascemos...

Observamos o mundo...

Nos surpreendemos...

Aprendemos...

Crescemos...

Ganhamos...

Perdemos...

Aprendemos de novo...

Buscamos...

Lutamos...

Amamos...

Ganhamos de novo...

Fazemos planos...

Acreditamos...

Perdemos de novo...

Tiramos lições...

Pensamos...

Buscamos respostas...

Envelhecemos...

Encontramos algumas respostas, não todas...

E morremos...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

De novo, Vanusa?

Depois de errar cantando o Hino Nacional e "Sonhos de um palhaço", Vanusa se confundiu novamente com uma letra de música (http://www.band.com.br/entretenimento/musica/noticia/?id=100000471975). Agora, a canção assassinada foi "Era um garoto", popularizada com Os Incríveis e Engenheiros do Hawaii. 

Hoje em dia, se a Vanusa cantar "Parabéns pra você", ela erra. "Parabéns nessa daaata, felicidades de vida, aaanos queriiiida". Ela parece o Chapolim tentando recordar ditos populares.

A veterana cantora diz que vai largar essa vida. Eu discordo. Vanusa tem que continuar! Ela poderia lucrar muito criando um quebra-cabeça musical. Você ouve ela cantando, e tenta reconstruir a música. Sensacional, não é mesmo?

Abandonar a música não é necessário. É só uma questão de se readequar. Ela tira todo o sentido daquilo que canta. Fica aquela coisa "A imaaagem, líííímpido, fiiiiilho, saaaalve saaaalve!". Ora, letra sem sentido por letra sem sentido, ela poderia compor funks. Seria inusitado! Acho que ela deveria pensar nessa possibilidade.

O que não pode é continuar do jeito que está. Virou folclore, piada. Um amigo tinha me pedido alguma coisa engraçada para lhe dar no aniversário. Não titubeei: comprei um dvd da Vanusa. Só olhar para a cara dela é engraçado. Entre Vanusa e Tiririca, sinceramente não sei quem tem mais problemas com letras. O páreo é duro!

Bom, como diria o filósofo, "recordar é viver". Então, sem mais delongas, caríssimos leitores, deixo vocês com o épico, o incrível... "Hino Nacional Brasileiro Revisitado pela Vanusa": http://www.youtube.com/watch?v=6w9MpztV4gk.