domingo, 15 de maio de 2011

Sangue doce

Sinceramente, estou de sangue doce para o Gre-Nal de daqui a pouco, no Olímpico. Em termos de conquista de título gaúcho, para o Inter, é muito difícil. Temos de ser realistas.

Ganhar um Gre-Nal é muito difícil, por si só. Ganhar por dois gols de diferença, é mais difícil. Ganhar por dois gols de diferença com a obrigação de fazê-lo, mais difícil ainda. E ganhar por dois gols de diferença, com a obrigação de fazê-lo, e na casa do adversário, então, nem se fala.

Isso não quer dizer, porém, que seja impossível. Já diz a velha, boba, óbvia, porém realíssima máxima: Gre-Nal é Gre-Nal. É jogo de nervos à flor da pele. Numa dessas, o Inter faz um gol, acontece uma confusão, e o Grêmio tem um jogador expulso, por exemplo. O panorama pode mudar, sim. Mas o sobrenatural de Almeida, o inusitado, o extraordinário, teria que entrar em campo. Em condições normais de temperatura e pressão, o Grêmio é favoritíssimo ao título.

Dessa forma, vou dedicar minha torcida muito mais a uma vitória colorada do que ao título em si. Ganhar Gre-Nal é sempre muito bom. Uma vitória sobre o arquirrival, por si mesma, é algo interessante. Se vier o título, melhor. Se não vier, paciência. Ainda há grandes títulos a disputar nessa temporada, como a Recopa Sul-Americana, a Copa Audi, e o Brasileirão. E o Inter vai entrar forte em todas essas disputas, tenham certeza.

Nenhum comentário: