domingo, 1 de maio de 2011

Contra o Grêmio e contra o juiz, deu Inter

O Gre-Nal desta tarde marcou uma superioridade marcante do Inter. O time vermelho e branco passou por cima do Grêmio por praticamente todo o jogo.

No primeiro tempo, o colorado teve supremacia absoluta. Leandro Damião marcou um gol de muita categoria, em erro bisonho de Rodolfo. Incrivelmente, os gremistas, liderados por Rochemback, reclamaram de falta. Só se for do Gasparzinho. O lance foi pura tosquice do zagueiro tricolor. O juiz acertou. O único acerto dele nos lances cruciais da partida. Ainda assim, os atletas do Porto-Alegrense tiveram a cara-de-pau de reclamar. Troféu Renê Simões pra eles.

A segunda etapa foi marcada pela manutenção da superioridade colorada. Posse de bola, toques envolventes e Grêmio na roda. Esse era o panorama. Então, entrou em campo ele, o melhor gremista em campo: Márcio Chagas da Silva. Ele expulsou Guiñazu em lance idêntico a pênalti protestado por Oscar no primeiro tempo, e não assinalado. Não reclamo do lance em si. Reclamo da absoluta falta de critério do árbitro. Se não foi pênalti em Oscar, não foi falta de Guiñazu. Se foi falta, de expulsão, de Guiñazu, foi, sim, pênalti em Oscar. Seja qual seja o critério escolhido, o Inter foi garfado. Ou pela sonegação de uma penalidade. Ou pela expulsão equivocada do principal marcador de sua meia cancha.

Fato é que, com a ajuda do árbitro, o Grêmio cresceu no jogo. E achou um gol com o inexpressivo Júnior Viçosa. Com isso, a partida foi para as penalidades. E Márcio Chagas da Silva, aquele da famosa "Batalha dos Oito Minutos", insatisfeito com o estrago já feito, sublimou: no estádio do Inter, com 90% de colorados, colocou as batidas das penalidades na goleira atrás da qual se localizava a torcida do... Grêmio! Mas não adiantou nada. A ruindade de Borges e a estrela de Renan fizeram a diferença. Inter na final do Gauchão. Superou, com sobras, o Grêmio, enquanto as coisas estavam iguais. Superou, com alguma dificuldade, a arbitragem.

Que venham os Gre-Nais decisivos.

Nenhum comentário: